A história das camisetas de protesto | We Fashion Trends
História da moda Moda

A história das camisetas de protesto

23 de junho de 2017

história das camisetas de protestos KATHARINE HAMNETT

Quando se fala em protesto, qual a primeira coisa que vem à sua cabeça? Muito provavelmente você, em algum momento pensou nas camisetas com dizeres, não é mesmo? E você sabe qual a história da moda com o protesto? Tudo começou com a ativista e ícone Katharine Hamnett. Foi ela a inventora da camiseta com slogan, um ícone dos anos 80.

KATHARINE HAMNETT

A designer Katharine Hamnett é umas das pioneiras da moda britânica moderna. Ela inventou a tão copiada camiseta com slogan, foi a primeira usar jeans desfiado e defendeu o algodão orgânico muito antes de a maioria das pessoas saber dos danos que a produção convencional causa ao meio ambiente. Nos anos 1980, ela influenciou a cultura popular e a política britânica por meio da força de seu trabalho.

A CAMISETA COM SLOGAN

Katharine Hamnett é mais conhecida pela invenção da camiseta com slogan. Ao imprimir mensagens políticas no formato de blocos grandes em camisetas simples, ela criou uma sensação nos anos 1980. Essas camisetas foram projetadas para serem facilmente copiadas de modo que o máximo de pessoas possível pudesse ver as mensagens de Katharine. A mais famosa dentre as camisetas com slogan dessa designer foi a versão CHOOSE LIFE (Escolha a vida) de George Michael e Andrew Ridgeley da banda Wham!. Com o tempo, as mensagens de Katharine voltaram-se mais para a situação da África e a sustentabilidade ambiental (duas questões importantes para as quais ela voltaria várias vezes nos anos 2000).

CONHECENDO A PRIMEIRA-MINISTRA

história das camsietas de protestos

Katharine Hamnett conheceu a primeira-ministra britânica Margaret Thatcher em 1984. “Finalmente! Algo original”, foi a resposta da primeira-ministra à mensagem antimíssil de Katharine quando as duas se encontraram em uma recepção do governo.

FASHION AID

fashion aid

O Fashion Aid foi uma ramificação da marca Band Aid para angariar fundos para vítimas da fome na África. Esse evento recebeu várias celebridades e foi realizado no Royal Albert Hall, em Londres.

Katharine Hamnett criou uma série de camisetas com slogans para o evento, incluindo mensagens PROTEST AND SURVIVE (Proteste e sobreviva) e SAVE THE WORLD (Salve o mundo).



ÁFRICA E ATIVISMO

Katharine Hamnett
Katharine Hamnett ficou profundamente impactada com uma visita ao Mali, na África Ocidental, em 2003 com a instituição de caridade Oxfam. Lá, ela viu não só o impacto da AIDS na população local, como também os danos causados pelo cultivo convencional de algodão no ambiente mais amplo. Depois dessa visita ao Mali, se comprometeu em só trabalhar com produtos produzidos de forma ética e com o mínimo de impacto ambiental possível. Muito antes de ser algo popular, ela fez uma campanha para que houvesse maior sustentabilidade na moda.

KATHARINE HAMNETT NOS DIAS ATUAIS

Katharine Hamnett - with her NHS not Trident T-shirt

Por três décadas, Katharine Hamnett causou um grande impacto na moda. Ela fez campanhas intermináveis para mudar internamente o setor da moda, envolvendo-se em várias iniciativas ecológicas e fazendo palestras sobre sustentabilidade no mundo todo. Ela foi indicada a Comendadora da Ordem do Império Britânico (CBE, na sigla em inglês) na lista New Year Honours em 2010 por serviços prestados ao setor de moda.

Em 2017, ela está trazendo sua marca de volta ao mercado. Tudo será produzido de forma sustentável na Europa em conformidade com a legislação de trabalho da UE e vendido internacionalmente por varejistas selecionados e diretamente ao cliente a partir de sua própria loja on-line.

LoveWildLiveFree_KatharineHamnett4

“O setor de roupas é um dos maiores do mundo. Ele emprega bilhões de pessoas (um em cada seis da população mundial), mas também é um dos maiores geradores de poluição, tendo impacto sobre as alterações climáticas e o aquecimento global. Trabalhadores do setor têxtil de várias partes do mundo ainda trabalham em condições análogas à escravidão. Precisamos fazer nossas roupas de um jeito melhor. Estou comprometida em mudar a maneira como isso funciona, fazendo roupas de forma ética e com o mínimo de impacto ambiental possível, preservando as habilidades tradicionais e mostrando como isso pode ser feito.”

Ainda não acabou!

Veja também: Conheça a primeira revista de moda da história, a Le Mercure Galant

Vem com a gente!

No nosso Pinterest tem mais!


Via: We Wear Culture



Você também vai gostar

Comente com o seu perfil do Facebook:



Sem Comentários

Comentários