20 feministas que marcaram a história e a luta das mulheres | We Fashion Trends
Empoderamento

20 feministas que marcaram a história e a luta das mulheres

15 de setembro de 2021

feministas

Mulheres feministas que marcaram a história: Muitas mulheres em todo o mundo promoveram sua luta incansável com os avanços na igualdade de direitos que desfrutamos hoje (embora ainda tenha muito caminho para ser percorrido). Contamos quem são essas mulheres e algumas de suas histórias.

No início do século XX, a situação das mulheres não era nada parecida com o final do século. Nem era a consciência da importância da igualdade. Se tanto avançamos, não foi pela ciência infundida ou pela vontade divina, mas pelo trabalho, sem descanso e sem pausa, de centenas de milhares de mulheres que, em todo o mundo, abraçaram a causa feminista e decidiram lutar pelos seus direitos.

No início dos anos 1900, as mulheres só podiam ficar em casa e cuidar do lar. Elas não podiam votar, ir para a universidade e, exceto em um raro caso de matriarcado em regiões remotas, dependiam de homens – primeiro o pai, depois o marido ou irmãos – para quase tudo. Algo como em ‘The Bridgertons‘, onde as irmãs colocam muito interesse em quem será seu futuro marido, já que seu futuro dependerá dessa escolha.

Em 1893, a Nova Zelândia se tornou o primeiro lugar no mundo a aprovar o voto feminino irrestrito. A Finlândia foi a primeira na Europa em 1907 e, lá, as mulheres puderam ocupar cadeiras no parlamento, também pela primeira vez. Na Espanha tivemos um breve flash, como quando o sufrágio feminino foi reconhecido em 1931, durante a Segunda República Espanhola, que não durou muito. Mas os avanços na igualdade não pararam em todo o mundo.

Mulheres feministas que marcaram a história

Nós selecionamos 20 feministas do século XX que todas deveríamos conhecer, pois, graças a elas, hoje podemos dizer que a igualdade deu passos gigantescos. Embora não possamos esquecer que, no mundo as mulheres gozam de 75% dos direitos que os homens têm e, até o momento, em nenhum país foi alcançada a igualdade total de gênero.

Clara Zetkin (Alemanha, 1857 – Rússia, 1933)

Política, ativista e amiga íntima de Rosa Luxemburgo, ela acreditava firmemente em um movimento universal pelos direitos das mulheres. Zetkin foi uma das feministas quem apontou a necessidade de um dia internacional para reivindicar o papel da mulher na sociedade. Graças a ela, celebramos o dia 8 de março em todo o mundo como o Dia da Mulher Trabalhadora, que foi reconhecido pelas Nações Unidas em 1975.

Leitura recomendada: 40 frases feministas famosas para inspirar

feministas

Feministas: Virginia Woolf (Reino Unido, 1882-1941)

Durante sua vida, ela desafiou as normas e com seu trabalho foi uma precursora do feminismo moderno. Ela destacou a importância para as mulheres de ter um ‘ quarto próprio ‘, a que se referiu em seu livro, para se criar e se desenvolver como pessoa. Além disso, ela escreveu sobre a necessidade de independência econômica feminina e foi uma das primeiras pessoas a falar de gênero como um conceito fluido. Se você ainda não leu nada dela, pode começar com esses livros ‘A Room of My Own’ – um dos livros que Maeve folheia em ‘Educação Sexual’ , ‘Orlando’ ou ‘Sra. Dalloway’. Todos eles são excepcionais.

Feministas: Clara Campoamor (Madrid, Espanha 1888 – Suíça 1972).

Além de advogada, política e ativista, talvez seja a feminista espanhola mais reconhecida da história porque se tornou a voz de todos em sua defesa no Congresso pelo direito ao sufrágio feminino. Ela o fez em um debate acalorado contra outra mulher, Victoria Kent. Campoamor convenceu e, em 1931, o sufrágio universal foi aprovado na Espanha. Não foi sua única luta feminista, ela também alcançou a igualdade para meninos e meninas nascidos fora do casamento, divórcio e que a educação primária era obrigatória para meninas.

clara campoamor

Simone de Beauvoir (França 1908 – 1986)

Considerada uma das fundadoras do feminismo moderno, a grande escritora e filósofa francesa publicou em 1949 ‘O Segundo Sexo’ , uma das obras essenciais do movimento, onde analisa a situação das mulheres, a misoginia da sociedade e o sistema patriarcal. Uma de suas frases míticas é: ‘Você não nasce mulher: você se torna uma’.

Simone De Beauvoir

Feministas: Betty Friedan (Estados Unidos, 1921-2006)

Na série ‘Mrs. America ‘da HBO – se você ainda não viu, já está demorando muito – Friedan aparece com sua lendária rabugice. Mas esta escritora e ativista dos direitos das mulheres era muito mais. Seu trabalho ‘A mística da feminilidade’ enfocou a submissão das mulheres de classe média e como a falta de liberdade individual as afetou e as levou à depressão ou ao alcoolismo. Publicado em 1963, na época de ouro das donas de casa idealizadas, o livro foi uma bomba. Três anos depois, ela fundou a Organização Nacional para Mulheres (NOW), uma organização de grupos feministas que continua até hoje a trabalhar pelos direitos das mulheres na saúde, no emprego, na educação …

escritora feminista Betty Friedan

Nawal El Saadawi (Egito, 1931-2021)

Médica, escritora e psiquiatra, publicou mais de 50 livros sobre os problemas da mulher no mundo. Grande guerreira feminista, ela falou de temas tabu como a mutilação genital feminina –que ela mesma sofreu aos 6 anos–, ou a religião como instrumento de opressão das mulheres. Ela foi presa em 1981 por criticar o regime de seu país, mas transformou sua estada na prisão em uma oportunidade de escrever suas memórias, o que fez em rolos de papel higiênico. Em 2020, a revista ‘Time’ a nomeou uma das 100 mulheres mais influentes do ano. “Feminismo é libertar a mente do sistema patriarcal, da religião e do capitalismo, que são as principais ameaças às mulheres”, é uma de suas citações mais conhecidas.

escritora egípcia Nawal el Saadawi

Gloria Steinem (Estados Unidos, 1934).

Prêmio Princesa das Astúrias de Comunicação e Humanidades, Gloria Steinem, jornalista e criadora de ‘Ms’, uma das primeiras revistas feministas, tem feito campanha pelos direitos das mulheres durante toda a sua vida. Uma grande comunicadora, ela é uma feminista icônica que nunca se cansou de lembrar a si mesma que o feminismo é um movimento universal para “tornar a vida mais justa para as mulheres em todo o mundo”.

Gloria Steinem jornalista e ativista feminista

Angela Davis (Estados Unidos, 1944).

Filósofa e feminista, LGTBI e ativista anti-racista, Davis é um ícone de todos os movimentos pela igualdade que aparece em inúmeros cartazes e camisetas no que ela descreveria como apropriação. À frente de seu tempo e crítica do que chama de ‘feminismo branco’, ela é uma das grandes teóricas da interseccionalidade do movimento, pois considera que a igualdade de gênero não pode ser conceituada “sem colocar a igualdade racial em primeiro plano. E econômica” . Ela também apontou que o binarismo “nos impede de compreender a fluidez e a multiplicidade da consciência e da expressão de gênero”. Sua vida é rendeu um filme e ela ficou na lista das 10 mais procurados pelo FBI.

Angela Davis, feminista, LGTBI e filósofa e ativista anti-racista

Marcela Lagarde (México, 1948).

Professora de Antropologia da Universidade Nacional Autônoma do México, é uma das grandes teóricas do movimento feminista, com livros como Los cautivios de las mujeres e suas análises precisas sobre violência de gênero, mitos do amor romântico ou a economia do cuidado. Além disso, Lagarde usou o termo feminicídio para descrever a situação das mulheres em Ciudad Juárez e conseguiu criar uma Comissão Especial para investigar esses assassinatos. Ela também dirigiu uma Investigação sobre Violência das mulheres no México, que concluiu que o problema é extenso em todo o país. A acadêmica, ainda, foi quem trouxe o termo irmandade, aceito em 2018 pela RAE, para a língua espanhola como “uma forma cúmplice de agir entre as mulheres”. Se você viu pôsteres como ‘se eles tocarem em uma, eles estão tocando em todas’ nas demonstrações de 8 de Maio e similares, eles vêm de sua visão do movimento. Atualmente, Lagarde faz parte do Grupo Consultivo da Sociedade Civil Internacional da ONU Mulheres e do Conselho Editorial de ‘Hypatia’, uma coleção do Instituto Andaluz para Mulheres.

Marcela Lagarde México

Rita Segato (Argentina, 1951).

Escritora, antropóloga e ativista argentina cujo trabalho é fundamental para a compreensão do feminismo atual. Ela chamou, entre outros, o conceito de ‘mandato de masculinidade’, que se refere à obrigação de dominação que recai sobre os homens e cuja principal condição é controlar as mulheres. Elas, por sua vez, tornam-se vítimas do sistema patriarcal, que as impede de se desenvolverem como pessoas livres e completas. Portanto, lembre-se sempre que o inimigo do feminismo não são os homens, mas o patriarcado, que oprime as mulheres, mas também a si mesmas.

Rita Segato

Bell Hooks (Estados Unidos, 1952).

Teórica feminista única, como a maneira como ela escreve seu nome, sempre em minúsculas para evitar inflamar o ego e esquecer que “o mais importante é o que eu digo nos meus livros , não quem eu sou.” Notável por analisar os sistemas de dominação e opressão de raça, classe social e gênero, ela propõe um feminismo inclusivo, também para os homens, a quem costuma abordar em suas obras. Um exemplo perfeito de sua visão de mundo é seu livro ‘ Feminismo é para todos ‘, ou os mais recentes: ‘Ensine a transgredir’ ou ‘Tudo sobre o amor’. Com todos eles, você aprenderá muito e se sentirá mais livre.

Vandana Shiva (Índia, 1952)

Doutora em Física, filósofa, escritora e ativista indiana que também é uma das grandes teóricas do ecofeminismo, que vincula a subordinação da mulher à exploração destrutiva da natureza. Conhecida por criar o movimento Chipko – formado por mulheres que abraçam as árvores para evitar que sejam cortadas – e a fazenda Navdanya, um exemplo de biodiversidade em que oferecem bancos de sementes comunitários, mas também por sua defesa dos fazendeiros indianos e sua luta contra a indústria agroalimentar. Shiva recebeu, entre muitos outros reconhecimentos, o prêmio Right Livelyhood Award, conhecido como Alternative Nobel. Se você ainda não a ouviu falar, faça uma busca na Internet, é um espetáculo fascinante de ouvir e vai te ensinar a ser cada vez mais sustentável.

Vandana Shiva

Rebecca Solnit (Estados Unidos, 1961).

Escritora que cunhou o conceito ‘mansplaining’, que se referia a essa tendência masculina e que ela popularizou no livro ‘Homens explicam as coisas para mim’. Milhares de mulheres em todo o mundo entenderam a que Solnit se referia porque aconteceu com todas elas. Ela acaba de publicar ‘A mãe de todas as questões’ em espanhol , onde reflete sobre questões sobre as quais devemos refletir com uma perspectiva feminista.

escritora feminista Rebecca Solnit

Tarana Burke (Estados Unidos, 1973).

Fundadora do movimento #MeToo, Tarana Burke, ativista e diretora da organização Girls for Gender Equity, conseguiu mudar a perspectiva em que as relações entre os sexos são vistas, ao mostrar que a maioria das mulheres já foram vítimas de algum tipo de violência sexual e colocar em cima da mesa a necessidade de falar sobre consentimento. Embora tenha havido alguns detratores relutantes em mudar, após as confissões públicas de tantas mulheres no mundo, tornou-se uma onda imparável. Algo semelhante aconteceu nos países de língua espanhola, promovido pela jornalista e escritora Cristina Fallarás (Zaragoza, 1968): quase três milhões de mulheres se mobilizaram para denunciar agressões sexuais com a hashtag # Cuéntalo .

Tarana Burke me too

Roxane Gay (Estados Unidos, 1974).

Quando publicou a coletânea de ensaios ‘Mala Feminista’, na qual, entre muitas outras coisas, descobriu que gostava de rap – apesar de saber o quão sexistas suas letras eram -, lendo revistas de moda ou da cor rosa, Gay deu uma voz para muitas mulheres em todo o mundo que se sentiam como ela. Com humor, não sem reflexão, a autora concluiu que o movimento feminista, por vezes sacralizado, é tão imperfeito quanto as mulheres que o formam e não é mau que assim seja. Não perca sua palestra TEDx , você vai rir e enlouquecer com sua análise.

Roxane Gay

Katrín Jakobsdóttir (Islândia, 1976)

A primeira-ministra islandesa se tornou uma referência ecofeminista fora de seu país. Licenciada em Literatura Islandesa, já tinha experiência como Ministra da Educação quando ganhou as eleições gerais. A sua atitude conciliadora, mas muito clara no que diz respeito à igualdade e ecologia, fascinou o eleitorado. Após uma gestão impecável da pandemia, continua mantendo apoio e trabalhando para conseguir uma jornada de trabalho de quatro dias sem redução salarial – já em evidência – por uma economia livre de carbono até 2040 e pela igualdade. Embora a Islândia seja considerada o país com maior igualdade de gênero do mundo, ela lembra que há uma disparidade salarial, falta mulheres em cargos de decisão, há violência sexista e eles teriam que governar quinze lideranças seguidas para que houvesse igualdade real no cargo que ela ocupa. Eu disse, claro como água.

Katrín Jakobsdóttir

Chimamanda Ngozi Adichie (Nigéria, 1977)

Com seu livro ‘Devemos todas ser feministas’ ou, posteriormente, ‘Dear Ijeawele. Como educar no feminismo ‘, popularizou as demandas feministas. Uma das habilidades desta escritora e ativista nigeriana é comunicar-se de forma inclusiva, com senso de humor, mas também, às vezes de forma dura, com conceitos básicos sobre igualdade ou anti-racismo.

Chimamanda Ngozi Adichie feminista

Jacinda Ardern (Nova Zelândia, 1980)

A chefe de governo mais jovem da história da Nova Zelândia também é a mais popular e se tornou um exemplo do bem que o feminismo faz quando aplicado à política. Nas últimas eleições varreu, certamente devido a uma ótima gestão da pandemia, mas também porque o primeiro-ministro da Nova Zelândia governa para as pessoas com políticas como o combate à pobreza menstrual que atinge uma em cada doze estudantes no país. Uma feminista convicta e líder milenar, ela sabe que a igualdade traz benefícios para toda a população. Se quer ter alucinações com ela, não perca o inspirador livro ‘Jacinda Ardern. Um novo modelo de liderança ‘, de Madeleine Chapman.

Emma Watson (França, 1990)

A jovem atriz britânica – temporariamente aposentada da atuação – tornou-se uma das líderes do feminismo atual no mundo. Em grande parte por sua colaboração como Embaixadora da Boa Vontade da ONU na luta pela igualdade por meio do movimento #HeForShe. O discurso feminista e inclusivo que fez na sede da ONU é inesquecível e tão influente que até a admirada Malala Yousafzai reconheceu que foi feita uma feminista por Emma Watson.

Emma Watson

Malala Yousafzai (Paquistão, 1997)

Infelizmente, Malala se tornou famosa em todo o mundo quando, em 2012, o Taleban atirou em sua cabeça por defender a educação para meninas em seu blog. Sobreviveu e, desde então, tornou-se um ícone da igualdade no mundo e do direito à educação. Aos 16 anos publicou sua autobiografia, Yo soy Malala ‘, aos 17 recebeu o Prêmio Nobel da Paz e aos 19 foi nomeada mensageira da ONU. Hoje, formada pela Oxford em Filosofia, Política e Economia, colabora com as Nações Unidas como Mensageira da Paz e transmite uma mensagem clara: que todos os meninos e meninas do mundo devem ser educados com igualdade.




Você também vai gostar

Comente com o seu perfil do Facebook:

Sem Comentários

Comentários

PRAIAS MAIS POPULARES DO MUNDO