A história por trás das cores icônicas das marcas - We Fashion Trends
Cores Estilo Moda

A história por trás das cores icônicas das marcas

26 de maio de 2022

Cores icônicas das marcas

Cores icônicas das marcas: Pantone 1837. Pantone 186C. Pantone 1448. Esses rótulos podem parecer estranhos, mas você ficará surpreso ao descobrir que na verdade está mais familiarizado com as cores que esses números representam do que imagina.

Ao longo das décadas, muitas das maiores marcas de luxo do mundo adotaram um tom específico como um código de cores exclusivo. Essa tonalidade não é apenas recorrente em seus produtos, mas, mais importante, em toda a sua comunicação.
Basta pensar na tonalidade da assinatura da Tiffany & Co, tão identificável que é simplesmente chamada de Tiffany Blue, e que é amplamente usada em todas as suas embalagens.

A marca americana, que foi adquirida pela LVMH por US$ 15,8 bilhões (S$ 21,3 bilhões) em janeiro deste ano, não é a única a reivindicar a propriedade de uma única cor. As solas vermelhas de sangue nos saltos altos de Christian Louboutin e as caixas de laranja cítricas quentes de Hermes também são facilmente reconhecíveis e registradas de forma semelhante. Embora as estampas, padrões e designs sejam ótimas maneiras de estabelecer a personalidade de uma casa de moda, as cores, na verdade, são mais eficazes para ajudar a marca a ser imediatamente identificável. Não há dúvida de que a cor é um significante que comanda nossa atenção e nos permite formar associações poderosas.

Muitas vezes decorrente ou inspirado pela herança histórica de uma marca, esse tom distinto é continuamente manipulado e reinterpretado para permanecer atual. Casas de moda queridas como Burberry e Fendi, ao longo das décadas, e através de uma direção criativa inteligente, conseguiram inculcar em nós a singularidade de suas cores.

Cores icônicas das marcas

O BEGE BURBERRY

Thomas Burberry criou sua empresa de confecção de casacos em 1856, quando tinha apenas 21 anos de idade. Ele inventou a gabardina, um tecido impermeável essencial para o clima inglês que revolucionou o vestuário para clima úmido.

Em 1912, o famoso trench coat Burberry foi patenteado. Inicialmente uma vestimenta militar, apresentava o famoso bege cáqui e todos os detalhes que eram úteis naquele contexto específico, como uma aba de tempestade abotoada no peito e dragonas para exibir as patentes de oficiais.

A cor bege (às vezes também chamada de tan) alcançou desde então uma estatura clássica e atemporal, e também se tornou uma assinatura inconfundível da marca. Neutra, calma e relaxante, a cor bege também é versátil e conseguiu se manter até hoje como um dos pilares das coleções da marca.

trench coat Burberry

O AMARELO FENDI

O tom ensolarado de amarelo está inextricavelmente ligado à casa de moda com sede em Roma desde 1933, com a associação sem dúvida relacionada ao ardente sol italiano. Na época, a Fendi lançou o Pergamena, um couro natural na cor papiro, que marca a origem do tom amarelo da assinatura Fendi. Rapidamente se tornou amplamente utilizado para os artigos de couro da Fendi, e a cor – que normalmente representa honra, lealdade e alegria – desde então apareceu em todos os códigos de design da marca, desde bolsas até fragrâncias.

A coleção de prêt-à-porter outono-inverno 2021 trouxe a iteração do Fendi Yellow na forma de artigos de couro de estilo contemporâneo, como a mochila Fendi Pack em alto relevo. Recentemente, a casa de moda lançou o Fendi Caffe by Anniversaire em Omotesando em Tóquio, que é elegantemente decorado com a assinatura Fendi Yellow e que está rapidamente se tornando um dos cafés mais emblemáticos da cidade.

amarelo fendi

LARANJA HERMÈS

Você provavelmente já ouviu histórias de pessoas comprando chaveiros na Hermès apenas para colocar as mãos nas icônicas caixas cor de laranja. Mas a embalagem nem sempre vinha nesse tom. No início do século XX, a casa apresentava originalmente seus produtos em papel creme com bordas douradas. No entanto, devido à falta de recursos como resultado da Segunda Guerra Mundial, teve que mudar para o laranja para seu papel e embalagem.

O tom cítrico quente, que transmite dinamismo, aventura e alegria, foi posteriormente adotado em toda a marca e oficializado na década de 1960. Mesmo quando o laranja saiu de moda nos anos 90, a Hermès decidiu se ancorar na atemporalidade e manteve a tradição, preservando o uso da cor para sua marca.

Conhecido simplesmente como Hermès Orange, tornou-se um símbolo de luxo e requinte máximo, e é sinônimo da casa, famosa por suas bolsas Birkin de couro, há quase um século.

VERMELHO LOUBOUTIN

A conexão do designer de sapatos Christian Louboutin com seu famoso sapato de sola vermelha começou com uma alteração em um protótipo de salto em 1992, porque a versão da fábrica parecia mais pesada do que seus esboços.
Ao aplicar o verniz vermelho na sola, ele transformou o calcanhar e, por acaso, encontrou sua assinatura perfeita. O designer supostamente brincou uma vez que achou a cor vermelha perceptível e poderosa. E, de fato, a cor vermelha é amplamente considerada como representando amor, paixão e desejo.

Este imperdível toque de cor nas solas de seus sapatos os tornou peças de arte. Na verdade, a estética é tão distinta que os Louboutins se tornaram parte do nosso léxico popular, graças ao endosso de celebridades. Quase todo mundo, de Jennifer Lopez a Kanye West e Cardi B, deram um destaque à marca de sapatos de luxo em suas músicas.

AZUL TIFFANY

A caixinha azul tem sido o material dos sonhos desde que Audrey Hepburn estrelou Café da Manhã na Tiffany ‘s. O famoso Tiffany Blue da Pantone 1837 faz referência ao ano em que a primeira boutique foi inaugurada em Nova York e, na verdade, não aparece em nenhuma faixa de cores, pois continua sendo propriedade exclusiva da marca desde que foi escolhida por seu fundador, Charles Lewis Tiffany.

Embora sua origem exata não seja clara, foi inspirada na sombra dos ovos de robin americanos ou na mania do final do século 19 por turquesa. A cor azul normalmente transmite confiança, lealdade e sinceridade, por isso não é surpresa que a marca tenha escolhido se alinhar a esses valores.

Em um sinal de que está evoluindo com os tempos, a Tiffany & Co recentemente contratou o artista americano Daniel Arsham para criar esculturas Blue Box de edição limitada. Com pátina acabada à mão, a obra de arte representa a releitura de Arsham da icônica Blue Box da marca de luxo como uma relíquia descoberta em um futuro distante.

Cores icônicas das marcas: ROSA PINK PP VALENTINO

A mais nova grife a aderir a essa técnica de cor foi a Maison Valentino, que estreou o Pink PP em seu desfile de Outono/Inverno 2022. Desenvolvido especialmente pelo time criativo, comandado pelo designer Pier Paolo Piccioli, em parceria com o instituto Pantone, o Valentino Pink PP foi o eleito para representar o novo mood da marca.

valentino-pppink-pantone

CINZA DIOR

Se você gosta de moda, já deve saber que a grife adora a cor cinza. E isso não é atoa, pois o tom sóbrio era o favorito de Christian Dior, por sua capacidade de combinar com tudo e se manter chique em qualquer circunstância. Uma curiosidade: em 2018, a atual diretora criativa, Maria Grazia Chiuri, utilizou uma cartela de mais de 50 variações de cinzas para colorir o desfile de alta-costura da maison francesa.

Cores icônicas das marcas: VERDE BOTTEGA

Recentemente vimos a ascensão da grife da Bottega Veneta, e como ele o aumento do desejo pela cor verde Bottega, aka parakeet green. Um verde de tonalidade bem específica e que foi a responsável por deixar a grife mais conhecida e desejada. A febre foi tamanha, que a cor foi além de sua utilização para estabelecer os códigos da marca, expandindo para o todo, e não apenas em algumas peças de roupa ou acessórios.

Veja também: Como se vestir no estilo Bottega Veneta gastando pouco

bottega veneta




Você também vai gostar

Comente com o seu perfil do Facebook:

Sem Comentários

Comentários

DELINEADO DA ADELE: APRENDA A FAZER