Uma em cada cinco roupas de algodão são o resultado de um trabalho forçado na China | We Fashion Trends
Comportamento

Uma em cada cinco roupas de algodão são o resultado de um trabalho forçado na China

25 de janeiro de 2021

Acredita-se-que-uma-em-cada-cinco-roupas-de-algodão-seja-o-resultado-de-trabalho-forçado-de-uigures-na-China

Por vários anos, o mundo vem tentando quebrar o silêncio em torno da repressão aos uigures na China. Muitas associações também denunciam a cumplicidade da moda na repressão dessa etnia muçulmana sunita.

A indústria da moda lucra com o trabalho forçado dos uigures? Enquanto as ONGs alertam as populações mundiais sobre o internamento em campos de muitos uigures pelo governo chinês, associações, sindicatos e grupos de direitos humanos também denunciam a cumplicidade de muitas marcas de roupas na repressão de esse grupo étnico muçulmano sunita, minoria na China, mas maioria na província de Xinjiang, localizada no noroeste do país. De fato, desde 2017, mais de 80.000 prisioneiros uigures foram transferidos à força para fábricas de subcontratadas de 83 marcas mundialmente famosas. Nike, Adidas, Zara e H&M …

Um relatório alarmante

fabrica-de-algodao-na-china

Em um relatório publicado em 23 de julho, 180 ONGs estimam que cerca de uma em cada cinco roupas de algodão vendidas em todo o mundo está ligada ao trabalho forçado de uigures. Eles convocam todas as marcas de roupas cúmplices para assumir suas responsabilidades. Diante dessas revelações, alguns quiseram se manifestar. É o caso do grupo Inditex, que detém notavelmente a Zara e que afirma ter conduzido uma investigação internacional sobre trabalho forçado. “ Levamos muito a sério as denúncias de práticas sociais e trabalhistas inadequadas em qualquer parte da cadeia de suprimentos de vestuário e têxteis (…) Podemos confirmar que a Inditex não tem nenhuma relação comercial com as fábricas. Xinjiang “,

A mobilização massiva dos franceses e o trabalho do MEP Raphaël Glucksmann ajudaram a quebrar a indiferença e o silêncio do mundo. Muito recentemente, as marcas Tommy Hilfiger e Calvin Klein reagiram antes mesmo de serem questionadas. Estes comprometem-se a encerrar qualquer relação comercial com os fornecedores questionados. ” Prezado Sr. Glucksmann, fomos informados de seu interesse na situação relatada em Xinjiang. (…) encerraremos nos próximos 12 meses qualquer relação comercial com fornecedores que produzem roupas ou tecidos, ou usam algodão cultivado em Xinjiang“ Disse Samantha Critchell, vice-presidente da PVH, grupo ao qual pertencem Tommy Hilfiger e Calvin Klein, que estão entre as 83 marcas beneficiadas com a escravidão dos uigures.

Prova de que a mobilização compensa, lenta mas seguramente!




Você também vai gostar

Comente com o seu perfil do Facebook:

Sem Comentários

Comentários

COMO DEIXAR OS TÊNIS BRANCOS