10 truques práticos e infalíveis para melhorar sua autoestima baixa - We Fashion Trends
Psicologia

10 truques práticos e infalíveis para melhorar sua autoestima baixa

14 de outubro de 2022

autoestima baixa

Autoestima baixa: Se você realmente acredita que não é capaz, habilidosa, inteligente, simpática ou atraente o suficiente, seria um pecado não ler este artigo.

Há um tabu na palavra autoestima, nós sabemos. Porque existe um mundo lá fora que nos leva a ser perfeitos, com o qual nossa auto-exigência está aumentando. Temos que ser, não só bons no trabalho, mas também os melhores amigos, além de lindos, magrinhos, estilosos, boas namoradas, melhores amantes… E tudo, sem bagunçar o cabelo. Então, se algum de nós ousar dizer que temos baixa auto-estima, certamente seremos rotulados como chatos, tristes ou, pior, alguém de quem devemos nos afastar.

No entanto, quantos de vocês costumam repetir para si mesmos “não vou conseguir fazer isso”, “tenho certeza que vai dar errado” ou “e se ele ficar bravo por dizer o que eu quero”? Saiba que 80% da autoestima vem do amor próprio, e 20% do autoconceito (as verificações necessárias para saber que você é bom em alguma coisa). E, assim que começamos a nos amar, o absurdo vai embora. As pessoas que têm baixa autoestima não sabem se olhar com carinho e amor.

Veja também: Mulheres com tatuagens têm a maior autoestima, segundo pesquisa

De onde vem a baixa autoestima?

O autoconceito nada mais é do que a ideia que se desenvolve de si mesmo em um dado momento. Por volta dos 3 anos, certas estruturas neurais se desenvolvem, como o hipocampo, esse sistema de estruturas que pertence à capacidade de realização, que tem a ver com o olhar do outro.

Todos nascemos princesas ou príncipes, mas pelos olhos de nossos pais nos tornamos sapos ou sapos. Se você também for geneticamente mais sensível, isso o prejudicará mais. Assim como há calendário de vacinação, deve haver outra agenda para que os pais aprendam a fortalecer a autoestima dos filhos.

Especificamente, a origem da autoestima está ligada ao conceito de ‘autoconceito’ que começa na 18 meses, quando os bebês começam a saber quem são. No entanto, não é conveniente para nós culparmos os nossos pais. Você tem que ser o seu pai e a sua mãe, inserir no seu disco rígido que você é o seu cuidador. O problema é que acreditávamos em tudo o que nos contavam na adolescência, e colocamos na mochila acreditando de todo coração. Na verdade, porque nunca paramos para questionar? Já pensou nisso?

Qualquer experiência relacional em qualquer fase da vida que tenha sido prejudicial, inquisitiva ou vexatória pode ser a causa, mas principalmente, são as crianças que aprendem a se ver no mundo pela mão de seus pais. Os problemas de autoestima mais graves vêm de infâncias em que não se foi visto ou amado incondicionalmente, mas também de situações de assédio moral no local de trabalho, por exemplo, ou devido a relacionamentos tóxicos. Nós não nascemos com autoestima, esse é um processo afetivo que se constrói através do olhar de amor que recebemos ao nosso redor.

baixa autoestima

A autoestima não é estática

Uma das grandes descobertas desse conceito é que ele não é estável. Você não é uma pessoa com baixa ou alta autoestima, assim como você é loira ou morena, alta ou baixa. Tudo depende de com quem você se relaciona, ou de quais experiências você tem em determinado momento. Você pode ter baixa autoestima e estar com alguém que a reforça constantemente (não precisa ser um parceiro) e vice-versa. Um bom exemplo disso são os relacionamentos tóxicos, que podem destruir uma autoestima à prova de bombas.

Os riscos da baixa autoestima

O primeiro e mais perigoso é o abuso ou engano por parte de outros. Nesses casos, a vitimização é imediata, porque acreditamos que merecemos tudo de ruim que pode nos acontecer. O ser humano tende a se polarizar, e coloca tudo o que enfrenta em um extremo, como os outros, por isso é tão fácil ser enganado. Com baixa autoestima você se vende para qualquer um, porque você não sabe identificar o amor e nem quem te ama e quem não te ama. Baixo amor próprio é como ter defesas baixas.

Outro risco é parar de interagir socialmente, e não tentar seguir seus próprios sonhos ou desejos de trabalho ou parceiro porque você considera que não é bom o suficiente. Ou também se deixar levar pelas massas e atender às expectativas ou convenções sociais alheias por não ousar ter opinião e critérios próprio. Mas “a estrela” das consequências da baixa autoestima são as dependências afetivas em relacionamentos de todos os tipos, ou seja, não conseguir se tornar autônomo e independente porque não valida suas decisões. Esse tipo de relacionamento pode acabar em abuso e na impossibilidade de sair de lá por medo da solidão ou por sentir que não vão conseguir sair sozinhos.

Os 5 estágios para construir sua autoestima

AUTOCONHECIMENTO

A pergunta é: Quem sou eu? É importante conhecer-se de forma realista, perguntar-se para onde quer ir e o que quer fazer na vida. É aconselhável: realizar atividades como escrever um diário, pensar nos seus pontos fortes e fracos (sempre com críticas construtivas), fazer coisas de que gosta e não deixar de ter seus hobbies.

AUTO-CONCEITO

A pergunta é: Eu gosto do jeito que eu sou? O autoconceito é o conjunto de opiniões, ideias e sentimentos que cada um tem sobre si mesmo em relação às características e habilidades físicas. É conveniente: pense em como você pode melhorar, estabeleça metas de curto prazo. Inscreva-se em uma academia, leia um livro… E diferencie a parte objetiva da subjetiva das situações.

AUTO-AVALIAÇÃO

A questão é: estou fazendo certo? Ou ruim? Para pessoas que têm comportamentos tóxicos, é ótimo poder ter essa capacidade de autorreflexão. É conveniente: pensar nas consequências dos erros, porque o problema não é o erro, mas não estar ciente dele ou não aprender com ele. Ajude a identificar os comportamentos tóxicos que temos. É importante diferenciar: não existem pessoas tóxicas, mas sim comportamentos tóxicos. E uma vez localizados, troque-os por comportamentos mais saudáveis.

AUTO ACEITAÇÃO

Eu me aceito como sou? Não significa adorar a si mesmo (narcisismo), mas aceitar a si mesmo com suas virtudes e defeitos. Com a mídia social, a auto-aceitação está tomando forma física; nós nos comparamos e isso nos machuca. Você deve focar no que você gosta em si mesmo. No espelho sempre olhe mais para o que você gosta, e diferencie as coisas que você pode mudar daquelas que você não pode. E o jeito que você fala consigo mesmo… Você tem que cuidar dessa linguagem, mesmo que ela seja interna.

RESPEITO PRÓPRIO

Eu ajo de acordo com o que sinto e penso? O respeito que você tem por si mesmo está relacionado ao respeito que você tem por si mesmo. Desenhe um triângulo cujos vértices são “eu penso”, “eu sinto” e “eu ajo”, o respeito próprio é o equilíbrio entre os três. Outro exercício é ser assertivo, aprender a dizer o que quero e, sobretudo, o que não quero.

Dez truques infalíveis para melhorar a autoestima

Alguns desses exercícios devem ser repetidos como um mantra. Na Índia, os mantras são repetidos 108 vezes, um número mágico. E embora no nosso dia-a-dia não seja possível atingir tal quantidade, trata-se de abrir um novo canal mais amplo e profundo (a nova crença “sim eu posso”) para desviar o anterior (“não poderei “).

  1. Coloque um post-it com a frase “Eu sou o suficiente” no espelho do banheiro. Todas as manhãs, leia e diga em voz alta cinco vezes, levantando-se, olhando nos olhos e respirando fundo. Quanto mais você repetir para si mesmo, mais vezes você terá essa ideia apresentada a você, porque as crenças estão profundamente enraizadas.
  2. Pergunte ao seu pessoal (amigos, família, parceiro…) quais são as melhores qualidades que eles veem em você e compare-as com o que você vê.
  3. Não acredite em tudo que você pensa, porque nós inventamos nossos pensamentos. Estes não são nem verdadeiros nem falsos, mas tentar detê-los é muito difícil. Você precisa surfá-los, mas não precisa acreditar neles.
  4. Lembre-se da pessoa que em sua infância olhou para você com mais amor e que o amou incondicionalmente, e pergunte a si mesmo por que você se sentiu especial um pelo outro. Coloque, em um lugar habitual para você, um objeto que te lembre dela ou uma fotografia dela. Isso fará com que você tenha em mente quais são seus valores.
  5. Pense no que os outros dizem sobre você e assuma que isso tem a ver com eles mesmos, com sua história e seus medos. Isso te dá perspectiva para ir embora e não se impressionar com as palavras dos outros. É a diferença entre viver em equivalência psíquica ou desenvolver a mentalização. É apenas uma polaridade, uma projeção deles. É impossível ver algo nos outros que não esteja em você.
  6. Faça uma lista de seus pontos fortes e seus pontos para melhorar. Coloque post-its em sua casa para lembrá-lo no que você é bom. E aprenda a dizer não.
  7. Fale consigo mesmo como se amasse a si mesmo, porque falamos fatalmente. Ouça a si mesmo, fique atento e tente amenizar essa linguagem tão negativa.
  8. Antes de dormir, pense em tudo que correu bem ao longo do dia. Pode ser chegar pontualmente ao trabalho, rir com um colega, eliminar a pilha de e-mails pendentes, sair na hora e chegar na academia, falar ao telefone com um amigo…
  9. “Fingir…” Como se você tivesse feito algo excelente. Imite sem complexos, modele alguém que você admira.
  10. Dê-se tempo. Todos os dias, ao acordar, escolha três detalhes do dia a dia para ter com você com algo que você ama: tomar banho um sabonete especial, comprar a pasta de dente que você mais gosta sem levar em conta o preço, ler, passear, tomar banho. .. E trate-se como se fosse seu próprio convidado. Você nunca lhe serviria um café na xícara mais velha da casa, nem a forçaria a beber em pé rápido.



Você também vai gostar

Comente com o seu perfil do Facebook:

Sem Comentários

Comentários

ROUPAS FEMININAS QUE ERAM DE HOMENS