Balaclava: a tendência inesperada do momento | We Fashion Trends
Estilo História da moda Moda Tendência

Balaclava: a tendência inesperada do momento

14 de outubro de 2021

balaclava

Balaclava: A moda pós-pandemia tem um estranho desejo de se esconder e ser notada ao mesmo tempo. O acessório obrigatório do inverno 2022: a balaclava, ou máscara de esqui, costuma ser associada ao mundo das montanhas e do esqui, e combina duas características importantes no inverno: proteção contra o frio e a segurança nos esportes.

No que realmente parece ser o primeiro inverno vivido ao ar livre após dois anos de pandemia, o capuz de lã passa do universo esportivo para pousar na passarela como um acessório cool feio-chique que chama a atenção.

Miu Miu, Marine Serre, Jacquemus, Annakiki, Marc Jacobs e Givenchy a propuseram em vários looks, demonstrando que o desejo por moda está disparando, mas talvez o ambiente urbano ainda seja percebido como cheio de riscos, quase como a montanha no inverno. A renovada fama da balaclava é o resultado claro de uma psicologia pós-pandêmica, que aplica a um objeto funcional o conceito de moda.

A interpretação romântica, divertida e aconchegante se diverte com materiais, cores e estampas pop dando a uma peça de inverno, uma nova vida, tudo para ser reescrito nas ruas da cidade passando a cobrir o rosto.

Balaclava no mundo da moda

A balaclava está na moda desde 2018, quando nas coleções FallWinter 2018 é protagonista de vários looks. Gucci de Alessandro Michele interpreta em cores fortes em sua coleção “cyborg” onde desafia os limites da imaginação, Calvin Klein de Raf Simons põe em jogo uma versão minimalista, mas marcante, que confirma a assinatura do então também designer belga Dior, Alexander Wang, Maison Margiela, Marni, Preen de Thornton Bregazzi e muitas outras marcas interpretam o chapéu na passarela 2018, incluindo importantes presenças de malhas e cores vivas.

balaclava gucci

Depois de três anos, com uma pandemia mundial no meio, a máscara de esqui ressurge nas passarelas do “novo normal”. Injetada com cor, a Balaclava volta às passarelas outono / inverno de 2022 em versão 2.0, com designs que extraem a essência da peça e a interpretam na forma streetwear, como Raf Simons, Marine Serre e Jacquemus, enquanto Marc Jacobs a transforma em um acessório capaz de recriar o imaginário dos vestidos de noite das divas dos anos 1920.

Miu Miu permanece no contexto da montanha, sugerindo uma estética imersa no meio selvagem que entra em contato com reflexos de Miuccia Prada sobre o mundo pós-pandêmico. A onda das malhas feitas à mão nascida durante o bloqueio tem sua própria visão da tendência: projetos como  @wearelecarine  e @rathatfamily  têm uma variedade de malhas coloridas para escolher. Suas criações são uma compra cuidadosa de um divertido acessório de inverno que mantém você aquecido, ao mesmo tempo que sustenta uma pequena empresa artesanal.

As origens do acessório balaclava

O termo mundialmente conhecido Balaclava é um termo com origens eslavas ligadas à história. Literalmente significa “zona marítima” e indica parte da atual cidade de Sebastopol, na Crimeia.

O elo que conecta o novo acessório de inverno a esta região do mundo é o conflito de guerra que envolveu as forças locais e inglesas no final do século XVIII. Este último, não acostumado com as temperaturas gélidas do Oriente, usava um capuz de tricô durante os conflitos, depois rebatizado de Balaclava para amarrá-lo ao porto onde ocorreu a Batalha da Crimeia.

Hoje, em todo o mundo, a balaclava é usada em roupas técnicas esportivas, especialmente relacionadas ao mundo do esqui, mas também do motociclismo. Está de volta à cultura pop graças à Europa Oriental, quando o Pussy Riot – um grupo de ativistas feministas conhecido por suas posições radicais associadas a um look muito punk – passou a usar um para cobrir o rosto durante suas manifestações. Também no filme Spring Breakers de Sophia Coppola aparece uma menção especial ao acessório, sempre no contexto de motins femininos.




Você também vai gostar

Comente com o seu perfil do Facebook:

Sem Comentários

Comentários

COMO FAZER O AUTOEXAME DAS MAMAS