Beber está fora de moda: por que a geração Z e as celebridades não bebem mais - We Fashion Trends
Bebidas Celebridades Comportamento

Beber está fora de moda: por que a geração Z e as celebridades não bebem mais

15 de novembro de 2022

Beber está fora de moda

Beber está fora de moda: descubra por que os jovens estão bebendo cada vez menos.

O consumo de álcool tornou-se tão normalizado em filmes, séries e reality shows que não nos surpreendeu que qualquer reunião social seja acompanhada de shots, garrafas de vinho, cervejas, coquetéis ou drinks. Como resultado, acabamos inconscientemente normalizando relacionamentos não saudáveis com o consumo de álcool que até eram incentivados (quem nunca ouviu a frase “eu desconfio de quem não bebe?”).

Foi o que aconteceu, por exemplo, com ‘ Sex and the City ‘. Para uma série que era sobre sexualidade e poder, acho que o Cosmopolitan se tornou a versão feminina do Martini. O Martini está associado a James Bond e a machos alfa, ao mesmo tempo, ao mostrar mulheres bebendo Cosmopolitan, pareciam erigir as mulheres como os alfas de seu mundo.

Felizmente, as coisas mudaram muito e no retorno da série, seus criadores perceberam os efeitos nocivos de tais mensagens e promoveram através da visibilidade do alcoolismo de um de seus protagonistas as vendas de o livro ‘Como desistir como uma mulher’, que promove os benefícios da sobriedade. Por sua vez , realidades como ‘O império da ostentação’ incluem ex-alcoólatras entre seus personagens que, em muitos episódios, falam dos estragos do álcool e até mesmo lançam suas próprias alternativas “sem álcool” no mercado, que se tornam as bebidas da moda.

Conforme relatado pela Organização Mundial da Saúde em seu relatório ‘Estratégia global para reduzir o uso nocivo do álcool’, o consumo de bebidas alcoólicas ocupa o terceiro lugar entre os principais fatores de risco para problemas de saúde no mundo. Foi precisamente a OMS que estabeleceu o dia 15 de novembro como o Dia Mundial Sem Álcool, uma data cujo objetivo é sensibilizar e informar sobre os danos físicos e psicológicos que o consumo de álcool produz a nível individual, mas também refletir sobre o efeito Social. De acordo com um novo estudo da Organização Mundial da Saúde (OMS), quase 750.000 (4%) dos diagnósticos de câncer no mundo em 2020 são atribuídos ao consumo de bebidas alcoólicas.

Beber está fora de moda

Embora a maioria dos casos estivesse ligada ao consumo excessivo de álcool, o consumo leve e moderado foi responsável por mais de 100.000 desses casos. O impacto de seu consumo vai além da saúde de quem o faz, pois também pode causar danos a terceiros como lesões no trânsito, violência ou Transtornos do Espectro Alcoólico Fetal (TEAF).

“Apenas 8% dos adolescentes bebem semanalmente”

No entanto, a geração Z se destaca por ser a mais sóbria da história, como indica um estudo internacional do HBSC, que indica que apenas 8% dos adolescentes bebem semanalmente, número que representa um terço da arrecadação em 2006. Dos que optam para a fórmula da ‘sober curiosity‘, que nos estimula a analisar por que bebemos, para aqueles que optam pelo ‘mindful drinking‘, que preconiza a mudança da relação mental e emocional que envolve a bebida, os jovens caracterizam-se por terem mudado as formas como relacionam-se com o álcool após o confinamento ter causado um aumento preocupante de problemas de saúde mental e consumo de álcool.

Veja também: 5 receitas de bebidas com lavanda para surpreender todos os seus sentidos

Foi Ruby Warrington quem primeiro usou o conceito de ‘sober curiosity‘ em seu livro de mesmo nome. “Quão diferente seria sua vida se você parasse de beber no piloto automático? E se você parasse de beber de vez?”, pergunta a autora em seu post, defendendo a ideia de que o álcool é, na verdade, uma pobre imitação de alegria, confiança e conexão. A partir daí criou o Club Soda, que ajuda a beber de forma mais consciente. Eles não o convidam a parar de beber completamente, embora, é claro, muitos de seus seguidores sejam completamente abstinentes, mas a beber de maneira moderada. Esses encontros também promovem o consumo de bebidas sem álcool, um mercado que tem cada vez mais peso.

A empresa de dados Nielsen aponta que o setor de bebidas com baixo teor alcoólico ou produtos sem álcool aumentou desde 2015 em 506%.  Até David Nutt, professor do Imperial College London, já está trabalhando em um novo tipo de álcool sintético chamado ‘alcosynt‘. Concebida para emular os efeitos positivos do álcool sem suas consequências negativas, ele estima que, em 2050, essa alternativa possa ter substituído quase completamente o álcool…

Beber está fora de moda: O álcool promove a desidratação, dificulta a desintoxicação do fígado

Mesmo por motivos mais banais, cada vez mais as pessoas se preocupam em reduzir o consumo, já que o álcool fornece “um grande número de calorias. Além disso, promove a desidratação, dificulta a desintoxicação do fígado, aumenta o apetite por alimentos gordurosos e açucarados e sua prioridade na metabolização dificulta a queima de gordura corporal. Esses são alguns dos motivos pelos quais há cada vez mais abstêmios.

Por sua vez, Millie Gooch, que enfatiza a importância de não banalizar a tendência da sobriedade, fundou a Sober Girl Society em 2018. É uma das maiores comunidades de mulheres sóbrias do planeta, na qual são dados conselhos e recomendações para quem quer passar sem álcool. Desde brunches sem bebidas alcoólicas a sessões de dança, organizam todo o tipo de eventos para promover uma vida em que a filosofia 0.0 é a principal protagonista. Com o mesmo propósito, nasceu em Nova York o Hekate, um bar onde não se serve álcool que nasceu depois que sua fundadora, Abby Ehmann, teve seu próprio bar. Depois de 30 anos de trabalho neste setor, decidiu criar um bar onde a diversão substitui o álcool, ideia que faz questão de salientar. “Muitas pessoas assumem que não beber é chato, mas o mais surpreendente é que, estando aqui, você percebe como é se divertir em um bar comum, mas sem brigas ou vidros quebrados constantes. Além disso, nossa clientela está mais atenta a tudo, porque não está bêbada”, afirma.

Dado o número de ‘influenciadores’, consultores e contas do Instagram e TikTok que falam sobre os benefícios da sobriedade, bem como ao analisar a quantidade de livros e podcasts sobre o assunto que saem todos os anos, fica claro que o mercado está muito atento à guerra ao álcool. De Katy Perry a Bella Hadid, muitas celebridades estão lançando suas bebidas com baixo teor alcoólico ou sem álcool, usando o impacto de suas vozes para enviar mensagens ao mundo elogiando os benefícios de não beber.

“Minha ansiedade social aumentou a ponto de me tornar cada vez mais difícil sair de casa sem beber para acalmar os nervos, algo que me fazia não querer sair e hibernar entre trabalho e trabalho. Levando em conta que meu estilo de vida me obriga a forçar um certo regime social, aliado à ideia de que trabalho 13 horas por dia, logo soube que esse não era um estilo de vida válido para mim”, explicou Bella em suas redes sociais.

Ela não é a única celebridade que não bebe mais. De Kim Kardashian, que, como explicou sua irmã Khloé, odeia o gosto do álcool, a JLo, que nos lembra sempre que é abstêmia, fica claro que beber não está mais na moda, nem no circuito social nem em Hollywood. Dada a quantidade de mocktails deliciosos que você pode preparar e as bebidas gratuitas ou leves que existem… Você se atreve a viver uma vida zero álcool?




Você também vai gostar

Comente com o seu perfil do Facebook:

Sem Comentários

Comentários

ROUPAS FEMININAS QUE ERAM DE HOMENS