Empatia: o que é e quais são os melhores exercícios para treiná-la - We Fashion Trends
Comportamento

Empatia: o que é e quais são os melhores exercícios para treiná-la

27 de setembro de 2022

empatia

Empatia: Colocar-se no lugar do outro também se aprende. Pratique com essas diretrizes e você verá como seus relacionamentos vão melhorar. 

Temas como depressão, ansiedade, tristeza crônica e, em geral, a adaptação que estamos tendo para viver nessas novas regras do jogo, trouxeram a empatia para o primeiro plano de interesse. A razão é que finalmente percebemos que precisamos dos outros e de sua compreensão muito mais do que nunca, porque não podemos mais tomar nada como garantido. É hora de apoiar um ao outro mais do que nunca. É hora (também) de repensar a forma como nos sentimos, nós mesmos e os outros.

O que exatamente é empatia?

Se todos concordamos em algo, é pensando que somos empáticos e que nos importamos com os outros quase tanto quanto com nós mesmos. Provavelmente temos razão: que daríamos tudo por eles. Mas isso não é empatia. Empatia é literalmente a capacidade de nos colocarmos na pele do outro . “Sentir empatia por outra pessoa é sinal de confiança. A empatia é atenta, compassiva e atraente, favorece a valorização emocional e o reconhecimento do outro, e isso contribui muito para tornar o mundo um lugar mais agradável, amável e seguro” diz Raven Digitalis, autor de “Empatia todos os dias”.

E como posso saber se sou empático ou não?

A chave é a consciência emocional. Trata-se de saber distinguir suas emoções para colocar uma linguagem específica em como você está se sentindo. E isso só pode ser alcançado com a respiração consciente. Só quando consigo identificar a minha emoção, identifico também a qualidade da minha escuta.

o que é ser empático

Ser empático não é o mesmo que ser simpático

Ser legal é ter um comportamento prazeroso buscando a aprovação do outro, mas isso não significa que você esteja se identificando com a emoção de quem está na sua frente, o que é muito frustrante, principalmente para o outro. Empatizar é ajudar o outro. Os simpáticos procuram se ajudar através da aprovação social. Os empatas ajudam os outros, sem se preocupar com o que os outros pensam.

Por que temos pouca empatia?

A velocidade do nosso estilo de vida atual causa muita ansiedade e impaciência no indivíduo. Estamos acostumados a esperar apenas um segundo a partir do momento em que tocamos na tela do celular até obtermos o resultado. Neste momento, até o elevador parece que demora mais do que o normal a chegar. Nosso cérebro está correndo. É um estado de ansiedade baixo. Quando você se sente impaciente, há uma ansiedade por trás, mesmo que seja muito leve a moderada, mas é ansiedade, e se você adicionar isso, por exemplo, ao computador que está lento, o desconforto aumenta, e isso dificulta a empatia. E quando você está ansioso, o trabalho de identificar é mais complicado.
E a isso devemos acrescentar que as redes sociais nos fazem esquecer inconscientemente que por trás de cada perfil de desconhecido existe um ser humano de carne e osso que sente, pensa, chora, ri, teme e tem necessidades fisiológicas.

Você conhece os neurônios-espelho?

A empatia tem muito a ver com eles. Eles se encontram dentro do cérebro, na área que envolve o gerenciamento emocional e que facilita a conexão e o vínculo que nos faz entender o outro. Eles são responsáveis por nos fazer querer chorar quando vemos alguém soluçando.

Empatia, obrigatória para o trabalho em equipe

A empatia é cada vez mais valorizada e levada em conta nas entrevistas pessoais de emprego. Aliás, a inteligência emocional (uma das suas pernas é a empatia) já está entre as ‘top 5 soft skills’ mais procuradas nos perfis profissionais em 2022. Compreender o outro significa trabalhar melhor em equipe e, portanto, um melhor desenvolvimento de todas as atividades colaborativas, e até uma melhora na faceta individual. Quando alguém te disser algo importante ou que a preocupa, apenas ouça, não tente tirar a dor deles. Empatizar não é aconselhar, educar, questionar, comparar, resolver ou ter as palavras perfeitas. Empatizar é ouvir.

Após a pandemia, a empatia se tornou uma das qualidades mais valorizadas no exercício da liderança. De acordo com um estudo realizado pela CEMS, a Aliança Global de Escolas de Negócios, entre mais de 1.700 ex-alunos e associados em 71 países, a empatia subiu cinco pontos (de 38% para 43%) em comparação com pesquisas pré-pandemia.

como treinar a empatia

Nós não poderíamos viver sem

E se no ambiente de trabalho é importante, imagine no pessoal. Por isso é tão importante ter amigos. Pense no que eles significam para você. E agora dê a volta: exatamente, isso é o que você também é para eles. E lembre-se que os abraços agora viraram uma bandeira, além de serem super saudáveis, garantem endorfinas (os hormônios da felicidade).

Sim, a empatia pode ser treinada

A empatia tem uma componente genética, mas também tem a ver com a experiência e educação recebidas. De acordo com as últimas descobertas neurocientíficas da Universidade de Cardiff em um estudo encomendado pela Mattel, por exemplo, brincar de boneca estimula as crianças a falar sobre as emoções e pensamentos dos outros. E outro fato: você pode exercitar. O cérebro é muito mais flexível do que você pensa. Aqui estão dez diretrizes para treiná-la:

  1. Esteja ciente de que você está acordando de manhã e saindo do mundo dos sonhos. Faça uma mini-meditação de 5 minutos ao acordar, concentrando-se na respiração.
  2. Ao tomar café da manhã, observe cada alimento que você come levando em consideração os 4 elementos que fizeram parte do processo de criação daquela torrada, café, leite, fruta, chá…
  3. Explore expressões artísticas às quais você não está acostumado. Se você nunca fez isso antes, visite uma exposição de arte abstrata, compre ingressos para ver um filme de um diretor que você não conhece ou experimente um tipo de cozinha que você nunca provou antes. Aproveite tudo sem nenhum preconceito.
  4. Pratique a escuta ativa. Quando alguém está te contando algo que o preocupa, faça um esforço para parar sua “conversa mental” e concentre-se apenas no que a outra pessoa diz, como se não houvesse nada mais importante no mundo (essa pessoa pode estar incubando uma depressão, e você sem perceber). A curiosidade genuína surgirá em você e o levará a fazer perguntas e descobrir mais, fazendo com que a outra pessoa se sinta aliviada e compreendida.
  5. Não faça julgamentos. Cada pessoa é um mundo, e o que serve a um, não vem nem vai para outro.
  6. Quando alguém compartilha um segredo ou algo com você, conecte-se com sua própria felicidade ou tristeza, dependendo do momento; Será mais fácil para você ter empatia com essa pessoa.
  7. Dê espaço, lugar e permissão para que a outra pessoa desabafe livremente. Apenas tente fazer companhia a ela, não se preocupe com o que você acha que ela espera que você diga ou faça com ela. Não julgue, porque além de (quase) tudo ter uma explicação, as pessoas têm suas próprias razões para se sentir como se sentem, e isso é sempre absolutamente respeitável.
  8. Pergunte ao outro “como posso ajudá-lo?” em vez de prever: “certamente o que te aconteceu é que…”.
  9. Procure olhar e ouvir o outro (e o mundo em geral) como se fosse a primeira vez que o vê. Muitas vezes nossos preconceitos sobre algo nos fazem terminar a frase sozinhos.
  10. Experimente a técnica de três colunas. Em relação a um evento específico que aconteceu com você com alguém, desenhe três colunas em um pedaço de papel (ou no computador) e nomeie-as para escrever nelas, em ordem, e na primeira, os eventos conforme aconteceram; na segunda, que opinião você tem a respeito; e na terceira, o que você acha que a outra pessoa pensa.



Você também vai gostar

Comente com o seu perfil do Facebook:

Sem Comentários

Comentários

ROUPAS FEMININAS QUE ERAM DE HOMENS