Estudo revela que Piriguete não sente frio. Sim, fizeram um estudo sobre isso - We Fashion Trends
Comportamento

Estudo revela que Piriguete não sente frio. Sim, fizeram um estudo sobre isso

15 de março de 2022

Piriguete não sente frio

Piriguete não sente frio: Todo mundo já ouviu ou falou essa frase. E, um foco maior na aparência pode explicar por que muitas mulheres não sentem frio ao usar pouca roupa em baixas temperaturas, de acordo com descobertas publicadas no British Journal of Social Psychology. Entre um grupo de frequentadoras de boates, apenas aquelas com baixa auto-objetificação relataram sentir mais frio ao usar menos roupas.

Os autores do estudo foram motivados por um curioso fenômeno pelo qual as mulheres parecem não se incomodar com o frio durante as noites. Ao sair para baladas ou bares, muitas mulheres abrem mão de suas jaquetas e usam roupas que expõem grande parte de sua pele, mesmo no inverno. As autoras Roxanne N. Felig e seus colegas propuseram que pode haver uma explicação psicológica para por que essas mulheres não parecem sentir frio – e isso pode ter a ver com auto-objetificação.

“Anedoticamente, acho que todos nós já testemunhamos o fenômeno de sair para uma noite na cidade, quando está absolutamente frio, passando por mulheres vestindo roupas minúsculas e pensando ‘elas não estão com frio?’ Alguns de nós podem até ter experiência pessoal em desafiar o frio porque um casaco ‘não combinava’ com nossa roupa”, explicou Felig, estudante de doutorado na Universidade do Sul da Flórida.

Veja também: A nova tendência entre as celebridades é não tomar banho todos os dias

Padrões históricos de aparência feminina que priorizam a beleza sobre o conforto

“Isso se alinha aos padrões históricos de aparência feminina que priorizam a beleza sobre o conforto. Espartilhos vitorianos, saltos altos e cirurgia plástica são exemplos de desconforto duradouro por causa da aparência. Achamos que esse fenômeno é outro exemplo de mulheres que ignoram os sinais fisiológicos para ter uma boa aparência. Então, consideramos se poderia haver algum mecanismo psicológico subjacente em jogo. Especificamente, procuramos testá-lo usando a teoria da objetificação como estrutura”.

A auto-objetificação é quando uma pessoa está excessivamente preocupada com a forma como os outros percebem sua aparência. Quando as pessoas se autoobjetificam, elas se veem como objetos de atração. Curiosamente, uma maior tendência à auto-objetificação tem sido associada à atenção reduzida aos processos corporais, por exemplo, dificuldade em identificar sentimentos de fome. Uma possível explicação para isso é que um maior foco na aparência consome recursos atencionais, reduzindo os recursos disponíveis para atender à consciência corporal.

Piriguete não sente frio

Felig e sua equipe elaboraram um estudo de campo para explorar se as mulheres com maiores preocupações com a aparência teriam menos probabilidade de relatar sentir frio durante uma noite, independentemente de suas escolhas de roupas. A equipe de pesquisa entrevistou 224 mulheres que estavam do lado de fora de boates ou bares em uma grande cidade dos EUA. Os dados foram coletados ao longo de várias noites em fevereiro, quando as temperaturas variaram entre 46°F e 58°F. As mulheres responderam a uma medida de auto-objetificação do traço e relataram o quão frias elas sentiam atualmente. Fotografias das roupas das mulheres também foram tiradas, e os pesquisadores codificaram essas imagens com base na quantidade de pele exposta.

Os resultados revelaram que apenas as mulheres que estavam abaixo da média em auto-objetificação relataram sentir mais frio quando mais de sua pele foi exposta. Para as mulheres que estavam na média ou acima da média em auto-objetificação, não havia ligação entre a exposição da pele e a sensação de frio. O fato de que esse distanciamento dos estados corporais tenha sido visto mesmo entre mulheres com níveis médios de auto-objetificação sugere que essa desconexão pode ser típica entre as mulheres comuns curtindo uma noite fora.

“Este estudo se baseia em pesquisas existentes de que os padrões para a aparência das mulheres contribuem para a redução da consciência corporal e que isso se manifesta nas experiências cotidianas das mulheres”, disse Felig ao PsyPost. “Essas descobertas sugerem que, na medida em que as mulheres monitoram sua aparência, elas perdem cada vez mais o acesso às suas próprias experiências físicas. Em contraste, as mulheres com baixa auto-objetificação mostraram uma relação positiva e intuitiva entre suas roupas e a sensação de frio: quanto mais pele expunham, mais frio sentiam.

E ai, o que acharam desse estudo?




Você também vai gostar

Comente com o seu perfil do Facebook:

Sem Comentários

Comentários

TENDÊNCIAS PARA A PRIMAVERA-VERÃO 2023