História do xadrez tartan escocês: dos clãs highlanders à passarela - We Fashion Trends
História da moda Moda

História do xadrez tartan escocês: dos clãs highlanders à passarela

22 de dezembro de 2022

Xadrez tartan escocês

Xadrez tartan escocês: O que agora comumente conhecemos como ‘Plaid’ é na verdade um dos tecidos mais antigos da história da moda. Contamos como evoluiu desde o seu primeiro registo nas Terras Altas da Escócia.

De todas as principais tendências que sempre usamos no outono/inverno, destacamos a presença da cor e o retorno dos estampados mais clássicos. Padrões que, como o tartan escocês, estão há anos rotulados em um guarda-roupa básico e que, no entanto, nesta temporada ganham maior importância. É por isso que, em homenagem à referida impressão, achamos absolutamente necessário homenagear suas origens, sua evolução e sua posterior adaptação à passarela e ao street style.

Gosta da estética que promete trazer o padrão xadrez mais icônico, assim como os lenços, saias plissadas e overshirts que protagonizam? Então fique para descobrir por que o tartan escocês é muito mais do que um elemento grunge para elevar qualquer um dos seus looks.

Veja também: Grunge is not dead: O xadrez e o jeans rasgado voltam a dominar ruas e passarelas

saia longa xadrez blazer veludo vermelho

Xadrez Tartan escocês: história, evolução e moda

Se você pensa em estampas de inverno, certamente as fotos escocesas são uma das primeiras que vêm à mente. No entanto, e da mesma forma que chamá-los de não rigorosos e equivocados, originalmente não são um padrão, mas um tecido antigo. Contamos a você como a maneira como os ‘highlanders’ (escoceses das Highlands) se envolveram e se tornou uma das reivindicações de moda mais cobiçadas da história da moda.

O primeiro registro deste lendário tecido de lã data de 3 a 4 DC. Porque sim, é de fato um tecido e não uma estampa. Esse padrão nada mais era do que o resultado do entrelaçamento de lãs (previamente tingidas) em cores diferentes. Em sua forma original, o tartan era na verdade um cobertor usado pelos Highlanders para se proteger do frio. Um pouco mais tarde, no século 18, isso evoluiu para o que hoje conhecemos como ‘kilt’, uma saia-chave no guarda-roupa masculino na Escócia a partir de então.

história do xadrez tartan escocês

No entanto, o tartan escocês (e tudo o que tinha a ver com a cultura gaélica das Highlands), foi banido pela Inglaterra após o seu triunfo na Batalha de Culloden. Especificamente, por meio de um tratado que eles chamaram de ‘Lei do Vestido de 1746‘. Tratado que vigorou até 1782, ano em que a referida lei foi finalmente revogada. Naquela época, voltou a ser um símbolo nacional.

Xadrez Tartan escocês: De tecido proibido a símbolo de famílias e clãs escoceses

Na virada do século 19, os tartans já associavam pessoas a diferentes regiões e distritos do país. Como não existiam corantes químicos, os artesãos de cada região obtinham seus próprios moldes com os meios e recursos locais disponíveis. Ou seja, o desenho e as cores resultantes eram produto dos corantes naturais disponíveis em cada área e, portanto, não pertenciam a uma única família, mas a uma cidade, vila ou distrito específico.
Na segunda metade do século XIX isso mudou e nessa época o tartan já estava diretamente relacionado a famílias e clãs.

padrões de xadrez tartan escocês klas

O tartan nas eras vitoriana e eduardiana

Durante os reinados de Victoria e, posteriormente, de seu filho Eduardo VII, o tartan escocês deixou de ser um símbolo exclusivo de famílias e clãs para também fazer parte do guarda-roupa feminino. Embora as escocesas continuassem a usar aquele que correspondia à sua família, clã ou distrito, o resto do Reino Unido apropriou-se dele, sem distinção de cores e padrões.

xadrez era vitoriana

Tanto que não demorou para que também se tornasse um símbolo real, graças ao gosto da família real britânica pelo dito tecido ‘highlander’. Na verdade, o Príncipe Albert (marido da Rainha Vitória) mandou desenhar seu próprio tartan. Mais especificamente um com o nome de seu castelo nas Highlands (que ainda é a residência oficial da coroa britânica) e que ele chamou de Balmoral Tartan. A título de curiosidade, diremos que a última vez que vimos um membro da realeza vesti-lo foi, precisamente, a Rainha Isabel II, dias antes da sua morte.

rainha elizabeth xadrez Balmoral Tartan

A monarca passou as suas últimas horas no Castelo de Aberdeen e, tal como os restantes empregados do castelo, usava uma saia no padrão associado a Balmoral, e portanto a coroa.

Das Terras Altas ao símbolo real da coroa britânica

Mas este padrão acinzentado com linhas vermelhas, obra do Príncipe Albert, não é o único tartan de origem escocesa que a coroa britânica fez sua. A impressão Príncipe de Gales soa familiar? Neste caso, falamos sobre como o fato de Edward VII usar um tartan de Aberdenshire sem parar (que na verdade é chamado de Glen Check ou Seafield Tartan) fez com que ele fosse apelidado em sua homenagem e que hoje conhecemos, erroneamente, como o seu.

xadrez escocês

No entanto, a realidade é que este tipo de tartan foi criado pela Condessa de Seafield, Caroline Stuart. Este membro da aristocracia escocesa residia em Glen Urquhart, um vale ao qual pertencia o referido tartan até que Eduardo VII o popularizou em todo o mundo sob sua assinatura.

Além disso, existe outro tipo de tartan diretamente associado à monarquia britânica e é chamado de Royal Stewart Tartan. Este é, aliás, um dos mais famosos e que a atual coroa britânica usa sem parar há anos. E sim, a atual princesa de Gales, Kate Middleton, tornou-se uma de suas mais renomadas embaixadoras.

Xadrez tartan escocês: E de tartã ‘real’ a símbolo anti-sistema

Dada a sua forte associação com a monarquia britânica e o ar de exclusividade que começou a inspirar, os jovens insatisfeitos com a classe dominante decidiram apropriar-se dela. Tanto que do final dos anos 70, e até o início dos anos 2000, o tartan escocês se tornou um símbolo punk. Ou, o que é o mesmo, o símbolo anti-sistema que a monarquia na Grã-Bretanha não gostou nada.

Entretanto, e em contraste com este fato, a princesa Diana foi uma das suas mais fiéis embaixadoras. Ela o usou de mil e uma maneiras (não apenas o ‘Royal Stewart Tartan’) ao longo de sua vida. Aliás, 25 anos depois da sua morte, ela é uma das responsáveis por fazer do tartan escocês um dos tecidos mais preciosos para os designers e um dos mais cobiçados do street style da atualidade.

Tartan escocês na moda contemporânea

Como dissemos, hoje podemos ver o tartan não apenas em qualquer cerimônia escocesa, mas também na passarela. Inspirados por sua história, muitos designers o incluíram (e continuarão a incluí-lo) em suas coleções. Estamos falando de Vivienne Westwood, Burberry ou Alexander McQueen.

Estes dois últimos têm, de fato, um padrão próprio. No caso da Burberry, é uma reinterpretação do icônico tartan chamado ‘Pride Of Scotland’. No caso de Mcqueen’s, o estilista optou pelo tecido do clã de sua família, residente na movimentada Ilha de Skye.

Graças à herança desse histórico tecido escocês e à repercussão que os designers têm promovido, hoje o tartan é uma das estampas mais populares do street style e faz parte de inúmeras coleções de luxo e baixo custo.




Você também vai gostar

Comente com o seu perfil do Facebook:

Sem Comentários

Comentários

7 PERFUMES FEMININOS PARA TRABALHAR