Já é possível comprar e alugar as roupas das famosas - We Fashion Trends
Celebridades Compras Moda

Já é possível comprar e alugar as roupas das famosas

17 de dezembro de 2021

Comprar e alugar as roupas das famosas

Comprar e alugar as roupas das famosas: As Kardashians vendem tesouros aclamados e os ‘influenciadores’ alugam alguns de seus ‘looks’ mais estilosos. Essa é a tendência do momento.

Hoje em dia, ter um estilo requintado não é mais uma qualidade a mais para celebridades e influenciadores, mas uma exigência imprescindível para que seus nomes estejam presentes nas listas dos mais bem vestidos das revistas de moda. No entanto, atingimos um novo patamar onde os armários mais desejados são também os que ajudam os seus proprietários a aumentar os seus rendimentos.

De Olivia Culpo a Nina Dobrev, as celebridades encontraram no Guarda-Roupa um lugar para rentabilizar seus looks alugando suas roupas e acessórios. Os trajes dos famosos não são desejáveis pela estética, mas porque alguns deles foram usados em filmes conhecidos ou em estreias inesquecíveis imortalizadas pela mídia e pela nossa memória fashionista.

Ao alugar roupas de uma pessoa aspirante, os usuários criam relacionamentos tangíveis com eles, como se estivessem pegando roupas emprestadas de um amigo. Os benefícios para quem aluga seus looks? Fazer com que seus seguidores se sintam mais próximos deles estabelecendo uma relação direta com seu público, obtendo benefícios financeiros e, claro, enviando para o mundo a mensagem de que eles se preocupam com a sustentabilidade …

Comprar e alugar as roupas das famosas

Esta tendência é tão popular que há quem vá mais longe e não se contenta em apenas alugar as suas roupas, mas sim, vender os modelos mais preciosos. Enquanto a maioria de nós mortais se livra de suas roupas e acessórios por meio de aplicativos, os influenciadores recorrem a serviços mais especializados, como o It Closet. Esta plataforma de mercado combina moda de segunda mão, instagramers e sustentabilidade, e tem milhares de roupas a preços muito acessíveis de um amplo portfólio de rostos conhecidos que eles selecionam para criar um vínculo próximo e real com o usuário.

“O processo de atrair influenciadores é um processo complexo. Certificamo-nos de que a pessoa em questão se adapta aos nossos valores e que o estilo se adapta à marca. Somos uma empresa jovem, por isso queremos que esses prescritores transmitam esse espírito e sejam apaixonados pelo projeto ”, esclarece a equipe da It Closet. “Quando as peças chegam ao nosso armazém, fazemos uma seleção exaustiva. Levamos em consideração que não têm defeitos e são peças atraentes. Procuramos vender tudo o que tenha a melhor qualidade possível ”, garante. De Alba Carrillo a Daniel Illescas.

A criadora de conteúdo Alba Álvarez, que vende seus looks lá, explica porque ela encontrou seu lugar ideal nesta plataforma: “Decidi aderir a esta iniciativa, para começar, porque me considero uma viciada em roupas. Outra razão é que eu sou a diretora da minha própria marca de roupas … Você pode imaginar como eu tenho meu guarda-roupa e quantas vezes eu repito as roupas! É uma pena desperdiçar roupas, especialmente se forem novas. Dar uma segunda chance às roupas, principalmente se for para meus seguidores, parecia uma opção obrigatória ”, conta.

O guarda-roupa Kardashian

O fenômeno é tão imenso que até o ‘klan’ se juntou a ele através da Kardashian Kloset, onde de Kim a Kendall Jenner selecionam pessoalmente as roupas e acessórios que colocam à venda. Cada peça tem suas especificações detalhadas, já que o site explica se os desenhos foram alterados para se adequar perfeitamente à silhueta de seus proprietários. Embora detalhes como esse sejam a razão pela qual aquele vestido Mugler não cabe como uma luva apesar de ser do seu tamanho, a mágica está em saber que ele foi especialmente modelado para que se sinta bem em uma das irmãs. Alguns modelos até incluem as etiquetas originais.

Kardashian Kloset

Embora as rainhas da letra K tenham seu próprio site de revenda, outras celebridades – como Olivia Rodrigo, a supermodelo Winnie Harlow ou mesmo a própria Chiara Ferragni – vendem suas roupas no Depop. Se antes as roupas de ‘merchandising’ eram essenciais para mostrar a devoção aos nossos ídolos pop, agora não basta ter uma camiseta com a cara da sua cantora favorita, mas o segredo está em possuir o vestido que ela usou no último videoclipe.

Este tipo de (quase) milagres ‘fandom’ são aqueles que permitem este tipo de sites e plataformas, que oferecem aos fãs das celebridades a possibilidade de vestir a lingerie da própria Dita Von Teese ou os tênis esportivos favoritos da Princesa Nokia. Embora o fato de as celebridades recorrerem a sites de revenda especializados para lançar seus looks não seja novidade, a novidade é que agora falam abertamente. Em parte, é claro, porque é assim que promovem os itens que vendem. É por isso que não é incomum que de vez em quando nos deparemos com histórias no Instagram em que Kim Kardashian mostra os itens que colocou à venda na Kardashian Kloset (que, aliás, dizem que em breve um loja física).

Nem tudo é dinheiro

Outros ícones de mídia social foram encorajados a abrir as portas de seus armários para seus seguidores para fins de caridade. É o caso de Pelayo Díaz, que durante o confinamento doou dez de suas vestimentas favoritas ao Coletivo Vestiaire, com o produto da venda indo para o Hospital La Paz de Madrid. O influenciador fez o mesmo no verão passado, quando colocou à venda alguns de seus fetiches fashionistas por ocasião do Dia do Orgulho. De bolsas Celine a designs Chloé, Pelayo doou alguns de seus tesouros de estilo para fins humanitários.

Gwyneth Paltrow promove a mesma coisa todos os anos por meio da “venda anual de guarda-roupa” em seu site, Goop, onde celebridades como Jennifer Aniston e Reese Witherspoon doam suas roupas e acessórios para que os lucros obtidos com a venda sejam doados para diferentes causas humanitárias. Claro que Paltrow, a guru do estilo de vida, toma a iniciativa de nos lembrar dos benefícios de Marie Kondo, mas o que importa para nós é o que transmite aquela devoção que sentimos pelas roupas de personagens conhecidos.

Essa prática combina a aura da cultura pop com a funcionalidade e sinaliza uma mudança em nossos hábitos de consumo. A geração Z não quer mais usar uma jaqueta como Kylie Jenner, mas quer uma jaqueta Kylie Jenner. Essa dinâmica de compra e aluguel de looks de celebridades e influenciadores ajuda a aproximar os fãs de seus ídolos ao permitir que eles usem as roupas que vestiram, que se tornam, de certa forma, autênticas relíquias carregadas de energia e misticismo. Se antes colecionávamos recortes de revistas em que apareciam nossas estrelas favoritas, nessa nova era, agora colecionamos roupas e acessórios de nossos ícones.

Os influenciadores e celebridades devem tomar cuidado com a seleção cuidadosa dos designs que colocarão à venda para não irritar as marcas. Um exemplo? Kylie Jenner carregou no site de revenda RealReal uma sacola Versace que a loja deu a ela em seu aniversário, duas semanas antes. ‘Falha épica!’




Você também vai gostar

Comente com o seu perfil do Facebook:

Sem Comentários

Comentários

COZINHA EM CORES RETRÔ É TENDÊNCIA