O ABC do câncer de mama: todos os dados que você precisa saber | We Fashion Trends
Câncer Saúde Saúde da Mulher

O ABC do câncer de mama: todos os dados que você precisa saber

18 de setembro de 2019

cancer-de-mama-cuidados

Você já se perguntou como o câncer de mama se desenvolve? Ou por que algumas células acabam agindo contra o próprio corpo, ou como ele pode ser tratado? Resolvemos todas as suas dúvidas.

Nosso organismo é constituído por células, que se dividem regularmente para substituir as velhas ou as mortas; e, assim, manter a integridade e o funcionamento adequado dos vários órgãos. Esse processo é regulado por uma série de mecanismos que informam à célula quando começar a se dividir e quando permanecer estável. 

Quando esses mecanismos são alterados, ele e seus descendentes iniciam uma divisão descontrolada que, com o tempo, levará a um tumor ou nódulo. Se essas células, além de crescerem fora de controle, adquirem o poder de invadir tecidos e órgãos circundantes (infiltração) e de se mover e proliferar em outras partes do corpo (metástase), então falamos sobre câncer.

câncer de mama afeta 1 a cada 5 mulheres. Esse é o cenário apontado pelo Globocan 2018, um estudo da Agência Internacional para a Pesquisa do Câncer (Iarc, na sigla em inglês). Portanto, precisamos estar cientes da importância da prevenção, pesquisa e detecção precoce. Isso pode significar levar a doença a tempo e salvar a vida da pessoa que sofre com ela. Existem centenas de campanhas que tentam não apenas conscientizar as pessoas, mas também aceitar o câncer de mama e suas repercussões nas mulheres e no meio ambiente.

Como o câncer de mama se desenvolve?

cancer-de-mama-tudo-que-precisa-saber

O câncer de mama é o tumor maligno que se origina no tecido da glândula mamária. Quando células cancerígenas ou tumorais provêm do tecido glandular da mama e têm a capacidade de invadir tecidos saudáveis circundantes e alcançar órgãos distantes e implantar neles, falamos sobre câncer de mama.

  • Crescimento local: o câncer de mama cresce por invasão direta, infiltrando-se em diferentes estruturas da mama de onde se originou originalmente. As células cancerígenas atingem estruturas vizinhas, como a parede torácica (músculos e ossos) e a pele.
  • Disseminação linfática: a rede de vasos linfáticos que a mama possui permite que a drenagem linfática seja realizada em vários grupos ganglionares. Os gânglios localizados na axila (axilar) são os mais acometidos, seguidos pelos localizados na artéria mamária interna (área central do tórax) e nos nos supraclaviculares (acima da clavícula).
  • Propagação hematogênica: é realizada através dos vasos sanguíneos, de preferência nos ossos, pulmão, fígado e pele.

O câncer de mama é o segundo tumor maligno mais comum em mulheres, atrás dos carcinomas de pele. Mas o câncer de mama não é uma doença exclusiva das mulheres. Embora em uma porcentagem muito pequena (represente menos de 1% de todos os cânceres de mama), os homens também podem sofrer desta doença.

Que incidência tem?

Considerando os dois sexos, é o segundo mais frequente no mundo após o câncer de pulmão. Tanto o número de casos como as taxas de incidência aumentam lentamente no Brasil e no mundo, provavelmente devido ao envelhecimento da população e a um diagnóstico cada vez mais precoce. O aumento da incidência (número de novos casos diagnosticados em um determinado período de tempo) é estimado em 1-2% ao ano.

Fatores de risco

Ser mulher é o fator de risco mais importante. As mulheres têm uma glândula mamária mais desenvolvida que os homens, mas o importante é que as células dessa glândula estejam sujeitas a estímulos constantes dos fatores de crescimento hormonal, estrógenos e progesterona. 

O risco de sofrer com esse tipo de câncer aumenta com a idade. Cerca de 18% dos cânceres de mama são diagnosticados com 40 anos e 77% em 50 anos. Acima de 75 anos, o risco diminui. A raça também parece influenciar o desenvolvimento do câncer: As mulheres brancas têm o maior risco de câncer de mama, enquanto as asiáticas e africanas têm o menor risco. Os motivos reais ainda são desconhecidos e, embora possa ter relação com os genes até agora, o relacionamento com o estilo de vida é considerado o motivo mais importante.

Como prevenir o câncer de mama?

sinais-de-cancer-de-mama

A melhor maneira de se antecipar ao câncer de mama é através do auto-exame da mama. A partir dos 20 anos, as mamas devem ser verificadas uma vez por mês , de preferência no quinto dia da menstruação. Também é vital fazer uma mamografia a cada dois anos a partir dos 40 anos e a cada ano aos 50 anos. 

Para a população sem fatores de risco adicionais, a possibilidade de câncer de mama também pode ser reduzida com a mudança de alguns hábitos, como manter peso adequado, exercitar-se regularmente , seguir uma dieta saudável, rica vegetais, frutas, legumes, nozes, peixe, carne …e evite álcool, tabaco e outras drogas. É sobre levar uma vida mais saudável!

Da mesma forma, foi demonstrado que mulheres que amamentaram entre 6 e 24 meses podem reduzir o risco de câncer de mama em 11 a 25%. Por outro lado, é importante que as mulheres com histórico familiar de câncer de mama vão ao médico com mais frequência e realizem exames regulares.

O diagnóstico precoce é essencial

auto-exame-cancer-de-mama

Por que o diagnóstico precoce é necessário? As chances de cura do câncer de mama detectadas em seu estágio inicial são praticamente 100%. Foi possível demonstrar que, graças às campanhas de diagnóstico precoce do câncer de mama, a mortalidade por essa doença diminuiu significativamente, pelo menos quando realizada na idade de maior incidência (acima de 50 anos). 

Quais são os testes de diagnóstico? A técnica utilizada e aceita em todo o mundo é a mamografia , que consiste em uma radiografia da mama capaz de detectar lesões em estágios muito precoces da doença. A mamografia pode detectar lesões mamárias até dois anos antes de serem palpáveis e quando ainda não invadiram em profundidade ou se espalharam para os nódulos ou outros órgãos. Quando o tumor é detectado nesses estágios iniciais, é possível aplicar tratamentos menos agressivos, o que deixa menos consequências físicas e psicológicas nas mulheres. A dose de radiação usada na mamografia é mínima, portanto é inofensiva. 

Outro método complementar à mamografia é o auto-exame das mamas, realizada periodicamente pelo médico ou pela própria mulher. No entanto, esse método não permite diagnosticar pequenos tumores que possam ocorrer. Estima-se que a mamografia possa detectar 90% dos tumores e o exame físico da mama, apenas 50%. No entanto, embora a confiabilidade da auto-exploração seja menor, é igualmente necessária como medida preventiva e é aconselhável ir ao médico caso seja detectada alguma alteração menor.

Tratamento do câncer de mama

O tratamento do câncer de mama, como na maioria dos tumores, é multidisciplinar. Diferentes especialidades trabalham juntas para combinar terapias e oferecer ao paciente a maior chance de cura. Os tratamentos mais frequentemente usados no câncer de mama são cirurgia, radioterapia, quimioterapia e terapia hormonal. O tratamento pode ser:

  • Tratamento local: refere-se ao tratamento destinado ao tumor em seu local de origem ou em um determinado local. Cirurgia e radioterapia são exemplos disso.
  • Tratamento sistêmico: refere-se ao tratamento que afeta todo o organismo. Quimioterapia e terapia hormonal são tratamentos sistêmicos.
  • Tratamento adjuvante: o tratamento sistêmico administrado após um tratamento local é denominado sem evidência de doença. O objetivo deste tratamento é destruir células tumorais dispersas por todo o corpo.
  • Tratamento Neoadjuvante: consiste em administrar um tratamento sistêmico antes de um tratamento local, com o objetivo de reduzir o tamanho do tumor antes da cirurgia.

Além disso, é conveniente que a paciente receba ajuda psicológica de um profissional especializado e tenha todo o apoio possível de sua família e conhecidos. Manter uma atitude positiva é essencial, por isso é altamente recomendável que esse tipo de suporte faça parte da terapia.

Tratamento cirúrgico do câncer de mama

Nas fases mais avançadas, o tipo de cirurgia dependerá do tamanho, localização e extensão do tumor.

  • Quando apenas o tumor é removido, é chamado de mastectomia.
  • Quando o que é removido é o quadrante em que o tumor está localizado, falamos de quadrantectomia.
  • Quando toda a mama é removida, é chamada de mastectomia .

1. Cirurgia conservadora

Esse tipo de intervenção envolve a remoção do tumor com uma margem de tecido saudável, mais ou menos largo, e os nós axilares, mantendo intacto o restante da mama. Pode ser uma mastectomia (remoção do tumor e uma margem de tecido saudável) ou uma quadrantectomia (remoção de um quadrante do tecido mamário no qual o tumor está incluído). A cirurgia conservadora deve sempre ser complementada com um tratamento de radioterapia, com o objetivo de destruir as células tumorais que podem permanecer na mama. A realização da cirurgia conservadora depende de vários fatores, como a localização do tumor, o tamanho das mamas, a estética após a intervenção, etc. O cirurgião, juntamente com o paciente, avaliará essa possibilidade. A tendência atual é que uma cirurgia cada vez mais conservadora seja usada para tratar o câncer de mama. 

2. Mastectomia

Consiste na remoção de toda a mama. Pode ser de dois tipos: 
– Mastectomia radical modificada: é a mais utilizada. Remove a mama e os gânglios axilares. 
– Mastectomia radical (também chamada mastectomia de Halsted): envolve a remoção da mama, músculos peitorais e gânglios axilares. Essa técnica foi amplamente usada no passado, mas não hoje.

3 . Linfadenectomia axilar

Seja qual for o tipo de intervenção, a remoção dos linfonodos axilares (linfadenectomia axilar) deve ser realizada. 
O pacote de linfonodos axilares é grande. Dependendo da acessibilidade, 10 a 40 linfonodos são geralmente removidos. É necessário saber se o tumor se espalhou para eles ou não, uma vez que o plano terapêutico subsequente variará dependendo dele. Assim, a linfadenectomia axilar é um procedimento diagnóstico. 

4. Linfonodo sentinela (GC) no câncer de mama

É uma técnica que pode ser utilizada em casos muito específicos de câncer de mama, cujo objetivo é identificar o gânglio axilar no qual, em primeiro lugar, drena o tumor da mama (linfonodo sentinela). Se esse nó for afetado por ele, é necessário um estudo do restante dos gânglios axilares. Se não for afetado, a possibilidade de não realizar um esvaziamento axilar pode ser considerada.

A base desta exploração é a seguinte:

  • Se o GC for negativo (sem invasão tumoral), o restante da cadeia também será, com as implicações prognósticas e terapêuticas que isso implica.
  • Se o GC for positivo, o restante da cadeia pode ou não ser, mas a linfadenectomia da área e as ações terapêuticas adicionais devem prosseguir.

O índice de concordância entre o estado real da axila e o do linfonodo sentinela é de cerca de 97%. No entanto, uma das questões que diz respeito ao uso dessa técnica é a existência de falsos negativos (produz um resultado negativo quando na verdade há envolvimento axilar), cujo número em grupos experientes é inferior a 5%. e / ou o cirurgião recomenda algumas dessas técnicas, certamente explicará em profundidade os detalhes delas. É um bom momento para fazer perguntas e expressar todas as suas dúvidas. Ter informações suficientes impede o surgimento de medos infundados e ajuda a entender a doença e os tratamentos.

Quais efeitos colaterais o tratamento para câncer de mama produz?

A cirurgia mamária, como na maioria das intervenções cirúrgicas, não está isenta de complicações e efeitos adversos, que podem ocorrer com maior ou menor frequência após a intervenção:

  • Dor: após a anestesia, é normal sentir dor na área da intervenção. Geralmente, o cirurgião deixa medicamentos que o aliviam. Se a dor não diminuir, é importante que você a discuta com a equipe de enfermagem ou com o médico. A dor, neste caso, não indica problemas de recuperação, mas simplesmente que há uma ferida.
  • Cicatrização: Obviamente, após a cirurgia, aparece uma cicatriz que será diferente dependendo do tipo de intervenção realizada. Essa cicatriz exigirá o mesmo cuidado que qualquer outra. Enquanto os pontos não forem removidos, o cuidado e a limpeza da cicatriz serão realizados pela equipe de saúde do hospital ou pelo centro de saúde. Uma vez removido, é importante manter uma higiene semelhante à do resto do corpo: lavar com água e sabão. Siga sempre as instruções do seu médico.
  • Perturbações sensoriais locais: um dos sintomas mais frequentes após a intervenção é a diminuição da sensação ou esmagamento da área de intervenção. Essa perda de sensibilidade melhorará com o tempo e geralmente desaparece aproximadamente um ano após a cirurgia.
  • Seroma: embora não seja frequente, em alguns casos um acúmulo de líquidos pode aparecer na área da cicatriz. Esse acúmulo é chamado seroma, é relativamente suave à palpação e levemente irritante. É necessário drená-lo de tempos em tempos para remover o líquido acumulado e melhorar os sintomas. Geralmente desaparece alguns meses após a cirurgia sem sequelas. Consulte o seu médico se o desconforto aumentar.
  • Linfedema: o problema mais importante a ser levado em consideração, embora não apareça em todos os casos, é o derivado da remoção dos gânglios linfáticos da axila. Em resumo, seria o inchaço do braço da área submetida a cirurgia na mama e nas axilas. A incidência é de 10 e 30% dos casos.
  • Limitação da mobilidade do ombro: outros problemas potenciais são a limitação no movimento do braço e ombro da área afetada.
  • Infecções na pele: os pacientes com câncer sofrem de diferentes problemas dermatológicos, principalmente quando são submetidos a tratamentos. Eles podem sofrer dores, picadas, feridas, erupções cutâneas e perda de cabelo.

O câncer de mama é o câncer mais frequente na população feminina, mas, felizmente, também é um dos mais rapidamente detectados e, quando realizado a tempo, as esperanças de cura das mulheres afetadas excedem 95% . Além disso, os tratamentos melhoram a cada dia.

Se você ou qualquer mulher em seu ambiente foi diagnosticada com câncer de mama, recomendamos que você solicite todas as informações necessárias ao seu médico para responder a qualquer pergunta que possa ter sobre esse câncer e seu tratamento. Se você precisar de apoio psicológico, peça, pois ser forte nesse nível o ajudará a lidar com a doença. 



Você também vai gostar

Comente com o seu perfil do Facebook:



Sem Comentários

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.