Os símbolos do feminismo e seus significados - We Fashion Trends
Comportamento Curiosidades Dia da Mulher Empoderamento

Os símbolos do feminismo e seus significados

1 de março de 2022

símbolos do feminismo e seus significados

Símbolos do feminismo e seus significados: Em seus primórdios, o feminismo foi caricaturado e até mesmo perseguido. Quase como agora. Para conhecer a sua luta, as feministas criaram uma ampla simbologia desde o seu início. Falamos sobre seus distintivos e o que cada um significa.

No início, o feminismo foi um movimento que foi ridicularizado. Mais tarde, quando se tornou popular entre as mulheres, foi perseguido. Por esta razão, as feministas inventaram símbolos para tornar suas reivindicações conhecidas e reconhecer umas às outras. Por exemplo, no início do século 20, usar lábios vermelhos era um distintivo feminista, porque significava rebelar-se contra aqueles que o consideravam escandaloso.

Vale lembrar que nossos ancestrais tiveram que lutar por quase tudo: para poder estudar ou para não ser propriedade de seu marido, pai ou mesmo filhos – qualquer homem podia lhe dizer o que você tinha que fazer. Elas também lutaram para poder retirar os espartilhos que as oprimiam desde os cinco anos de idade. As velhas feministas queriam usar calças mas, por usá-las, podiam até acabar numa masmorra por escândalo público.

A luta pela igualdade não foi fácil. As sufragistas lutaram muito para que pudéssemos votar. Mulheres que se tornaram ícones do século 20. Alguns chegaram a ser presas e, quando entraram em greve de fome, foram obrigadas a comer com métodos que lembram muito a tortura. A partilha de privilégios com a outra metade da população não era muito bem vista nem pela maioria dos homens nem por muitas mulheres. Ainda assim, o movimento era imparável.

Leitura recomendada: 20 feministas que marcaram a história e a luta das mulheres

O feminismo luta por muitas coisas, mas, acima de tudo, busca a justiça e está ligado aos direitos humanos porque é exatamente disso que se trata. As mulheres representam 50% da população e o movimento pediu, e pede, igualdade para elas. Se alguém diz que não é feminista, é como se alguém dissesse que não acredita na liberdade. Grosso, certo?

Como qualquer movimento que se preze –e isso não é ditatorial–, o feminismo está vivo e evoluindo. Se no século XIX se lutava pelo direito ao voto, hoje se faz para acabar com a diferença salarial, a violência sexista ou os tetos de vidro, para ter uma real igualdade de oportunidades. Alguns símbolos permaneceram, enquanto novos foram criados para contar a história das batalhas atuais, como a luta pelo aborto ou #MeToo. Há também siglas como GRL PWR, uma contração de Girl Power, que celebra o empoderamento de mulheres e meninas e foi criada pela banda punk feminista Bikini Kill. Se quiser descobrir mais, continue lendo. Explicamos alguns dos símbolos feministas mais populares, o que eles significam e como foram criados.

Símbolos do feminismo e seus significados

Bandeira sufragista

A bandeira sufragista original era verde, branca e roxa. Também era usado em broches e ornamentos dessas cores. Verde para esperança, roxo porque é a cor da sabedoria, lealdade e liberdade, e branco para pureza. Bem, sim, visto de uma perspectiva branca. Mas estamos falando do final do século 19, início do 20. Nossos ancestrais costumavam fazer demonstrações e lutas heroicas suficientes por você e por mim.

Broche Holloway

Na foto, Emmeline Pankhurst, uma sufragista britânica que fundou a WSPU, a União Política Social das Mulheres, e foi nomeada uma das 100 pessoas mais importantes do século 20 pela revista ‘Time’. Se você olhar de perto, no peito ela usa a bandeira sufragista e o broche Holloway, uma flecha esmaltada nas cores das sufragistas, montada em um ancinho prateado, criado por sua filha Sylvia, outra pró sufragista, para sinalizar às sufragistas que passou pelo presídio desse nome e que se tornou símbolo de protesto contra a repressão às mulheres.

Bicicletas e bloomers

Para as primeiras feministas, andar de bicicleta era uma forma de se reunir, ir a manifestações e, enfim, ser livre . Elas se tornaram tão populares que a sufragista Amelia Bloomer criou uma peça com o nome de seu sobrenome, uma espécie de calça larga que se tornou muito popular no final dos anos 1900, como pode ser visto nesta pintura de 1900. O presidente da National Association for Suffrage of Mulheres, Susan B. Anthony disse em uma entrevista que achava que a bicicleta “fez mais para emancipar as mulheres do que qualquer outra coisa no mundo”. Depois de ler isso, lembre-se que em países como Arábia Saudita, Irã ou Afeganistão, muitas meninas não têm permissão para fazê-lo, como nos diz o filme ‘The Green Bicycle’ do diretor saudita Haifaa al-Mansour. Da próxima vez que você montar em uma, não a verá da mesma forma, até dá vontade de tatuar um no pulso.

We Can Do It!

Talvez o pôster feminista mais icônico. Tanto que tem até quem se fantasia dele em uma festa. Foi criado por J. Howard Miller quando fotografou uma mulher, Naomi Parker, trabalhando em uma fábrica de rebites de aeronaves. Na verdade, era uma foto de propaganda de guerra e a garota foi apelidada de ‘Rosie, a rebitadora’. Mas as feministas se apropriaram sem remorso desse símbolo de luta e força de todas as mulheres. É daí que vem um dos nossos emojis feministas favoritos: 💪🏾💪🏾💪🏾

#MeToo

Uma simples hashtag de duas palavras unidas acabou se tornando o movimento mais brutal para empoderar e unir mulheres ao redor do mundo. Foi criado em 2006 por Tarana Burke, uma ativista social, para promover a empatia entre as mulheres, mas foi a atriz Alyssa Milano que twittou em 15 de outubro de 2017: “Se você foi assediada ou agredida sexualmente, escreva ‘metoo’ em resposta a este tweet”. A resposta foi tão grande, tão universal, que deu origem a todo um movimento e ajudou a derrubar perseguidores e predadores sexuais que vagavam livremente até então, como o produtor Harvey Weinstein. Mas não apenas abusadores de mulheres. Como é comum no feminismo, benefícios para todas as pessoas surgiram dessa onda e predadores de meninos menores de idade, como o ator Kevin Spacey, também caíram.

Os óculos violeta

Em todo o mundo, a cor roxa está inextricavelmente associada ao feminismo, e colocar óculos violeta ou roxo é como olhar o mundo a partir de uma perspectiva de gênero, com um olhar feminista. A escritora Gemma Lienas cunhou essa metáfora em seu livro ‘El Diario Violeta de Carlota’ (2001), um manual sobre feminismo para leitores adolescentes. Nele, ela explicou que aqueles óculos violeta proporcionam um olhar crítico que permite ver as desigualdades entre homens e mulheres. Depois de colocá-los, nada será o mesmo porque você terá aprendido a questionar o sexismo e os valores androcêntricos. Você também será mais livre e empoderada.

O lenço verde

Este símbolo nasceu na Argentina, como representação do direito de legalizar o aborto. Elas usam na cabeça, pescoço, pulso, em qualquer lugar é bom. Quanto mais visível, melhor. Ele logo começou a ser usado em toda a América Latina e acabou chegando à Europa e ao resto do mundo, onde as feministas costumam usá-lo como um gesto de apoio às “compadres” latinas para conseguir um aborto legal e seguro. Nos últimos anos, o aborto foi descriminalizado no Uruguai, Argentina, Chile e vários estados do mundo. Sendo ainda algo ilegal aqui no Brasil.


O cabide

Convertido pelas feministas argentinas em símbolo da opressão patriarcal e de seu desejo de decidir sobre os corpos das mulheres, hoje já é utilizado em manifestações ao redor do mundo. Por exemplo, contra o endurecimento da lei do aborto na Polônia, que já era uma das mais restritivas da Europa e que continua dando passos para trás, como é o caso dos Estados Unidos. Também solicitar uma lei que permita o aborto em países como El Salvador ou Nicarágua, onde é proibido mesmo que a vida da mãe esteja em perigo. Uma em cada quatro gestações termina em aborto. Devido à falta de regulamentação em todos os países, isso significa que ocorrem cerca de 25 milhões de abortos inseguros por ano, e essa é a terceira causa mais comum de morte materna no mundo.

Laços e saltos altos

A Campanha do Laço Branco (WRC) é o maior esforço conjunto até hoje para engajar os homens na luta contra a violência de gênero. Começou no Canadá, onde em 6 de dezembro de 1989, 14 adolescentes foram assassinadas por estudarem matérias  considerados ‘masculinas’. Um grupo de homens decidiu que estava tudo bem e criou esta campanha que, desde 1991, luta contra a violência masculina. Além disso, todos os anos desde 2001, a marcha Walk a Mile in Her Shoes é realizada em várias cidades do mundo para arrecadar fundos e conscientizar sobre a importância de romper o círculo da violência sexista.


O triângulo feminista

Em 2018, centenas de mulheres que formaram um triângulo com as mãos em Bilbao tornaram-se a impressionante capa do dia 8 de março do The New York Times. Faz-se juntando os dedos polegar e indicador e juntando as duas mãos para representar e reivindicar o poder do útero das mulheres que têm vagina e a liberdade de todos decidirem sobre o próprio corpo. Também tem sido usado para reivindicar o direito ao aborto gratuito. Houve alguma polêmica com o coletivo trans, caso fosse um símbolo exclusivo, mas como diz a ativista trans Alana Portero, “Eu faço a reivindicação da b*c*ta minha, porque sua invisibilidade e demonização tem sido uma ferramenta de opressão brutal pelo patriarcado por séculos.” Por isso, conclui: “Viva as vaginas e viva os pênis das meninas”.

Símbolos do feminismo e seus significados: As bruxas

Da Turquia à Coreia do Sul, Itália ou Espanha, as bruxas tornaram-se um símbolo feminista em todo o mundo. A ideia é acabar com o mito de que eram mulheres más para falar a verdade: que foram mortas por serem livres. E assim reivindicar todas as mulheres queimadas na fogueira como bruxas, por desafiar as normas sociais e tentar viver plenamente sua sexualidade. Que ninguém se esqueça, as feministas são as netas das bruxas que não conseguiram queimar.

A batucada feminista

Embora originárias do Brasil, parece que as primeiras batucadas femininas surgiram na Colômbia. A mais conhecida é La Tremenda Revoltosa, uma batucada feminista que realiza ativismo político com percussão e trombetas. Elas se tornaram tão populares que uma manifestação feminista sem eles já é estranho. Como este da foto, em Valência um 8 de março. É ouvir a música e você chegar e começar a dançar e cantar proclamações pelos direitos das mulheres como ‘Para você, para mim, para todas nós’, ‘Nem um passo atrás’, ‘Nós queremos uma à outra livre’, ‘Não uma a menos’, ‘Deixe o patriarcado queimar’, ‘Não é não’ ou ‘Nós somos o grito de quem não tem mais voz’.

Capuz para cobrir o rosto

Isso se tornou um emblema da luta feminista no Chile, onde as mulheres até personalizam suas máscaras com tecidos ‘patchwork’, lantejoulas ou chifres. Por um lado, com elas reivindicam a falta de egos de um movimento diverso; de outro, o direito ao anonimato e à liberdade. Serve também para protegê-los de possíveis prisões pela polícia. Já se popularizou em outros países da América Latina e há grupos que às vezes os entregam após manifestações.


Símbolos do feminismo e seus significados: Capa vermelha e faixa branca

A imagem, retirada de ‘The Handmaid’s Tale’, virou roupa de protesto, como aconteceu com a máscara do filme ‘V de Vingança’ que representa o movimento Anonymous. O uniforme das mulheres escravizadas na distopia de Margaret Atwood tornou-se um poderoso símbolo da luta feminista contra a opressão patriarcal. Basta lembrar que as mulheres da novela/série são escravizadas como úteros para gerar a prole de seus senhores.

Símbolos do feminismo e seus significados: Punho alto

Com unhas pintadas, pulseiras e o que você quiser remover ou acrescentar, o punho erguido das mulheres se tornou um gesto que dispensa mais palavras e que você encontra até em GIFs. Ao invés da luta de classes, as mulheres proclamam sua luta por seus direitos, por igualdade, contra a opressão do patriarcado. Parece incrível que tenhamos que continuar lutando duro como nossos ancestrais, mas aqui estamos: a igualdade real não é esperada por mais 130 anos, segundo o Fórum Econômico Mundial. Sim, mais de um século. Vamos levantar todos esses punhos e continuar lutando… ‘como uma garota’. Puro poder ✊🏾✊🏻✊🏽✊🏿




Você também vai gostar

Comente com o seu perfil do Facebook:

Sem Comentários

Comentários

TENDÊNCIAS PARA A PRIMAVERA-VERÃO 2023