A pílula apresenta maior risco de trombose do que a vacina AstraZeneca e continua a ser prescrita | We Fashion Trends
Comportamento Menstruação Saúde da Mulher

A pílula apresenta maior risco de trombose do que a vacina AstraZeneca e continua a ser prescrita

17 de março de 2021

risco-de-trombose-com-pilula-anticoncepcional

Vários países suspenderam a campanha de vacinação da AstraZeneca após relatos de casos de trombose. Um risco já incorrido diariamente por mulheres que tomam a pílula anticoncepcionais.

Desde a semana passada, muitos países suspenderam as vacinas com o carimbo da AstraZeneca. A causa é o aparecimento de trombose, ou coágulos sanguíneos, relatados em alguns casos. No entanto, outro medicamento amplamente utilizado apresenta risco comprovado de trombose: as pílulas anticoncepcionais, que muitas mulheres engolem todos os dias.

A polêmica desencadeada pelo risco de trombose ligado à vacina AstraZeneca ressurgiu o debate nas redes sociais: e a pílula? “ Se estivéssemos tão preocupados com a trombose da pílula quanto com os da AZ, faríamos progresso na contracepção ” , escreve um usuário no Twitter.

Isso ocorre porque os hormônios da pílula, especialmente o estrogênio, promovem a coagulação do sangue e aumentam a viscosidade das plaquetas sanguíneas, o que altera a pressão nos vasos sanguíneos. Observe que o risco de trombose aumenta se estiver associado a fatores de risco, como excesso de peso ou tabagismo.

Leia também: As mulheres estão deixando de tomar anticoncepcionais

Trombose, um risco comprovado para mulheres que tomam pílula

as-mulheres-estao-deixando-de-tomar-pilula-anticoncepcional

Na França, por exemplo, segundo dados da Agência Nacional de Medicamentos (ANSM), “a incidência de tromboembolismo venoso é de cerca de 40 casos por ano por 100.000 mulheres” para os comprimidos de 3ª ou 4ª geração. Um número muito distante dos cerca de 30 casos de trombose relatados na Europa em quase 5 milhões de vacinados com soro AstraZeneca.

“As pílulas de estrogênio-progestágeno contendo os seguintes progestágenos – desogestrel, gestodeno, norgestimato, drospirenona, clormadinona – dobram o risco de trombose em mulheres tratadas”, detalha Inserm. Se as pílulas de 3ª e 4ª gerações são os principais envolvidos, o risco não é zero com as pílulas de 2ª geração, com quase 20 casos por ano por 100.000 mulheres.

Apesar dos muitos escândalos envolvendo as pílulas de 3ª e 4ª geração, é claro que os riscos de trombose gerada pela pílula são muito menos preocupantes do que os da vacina. E se a indústria quiser se defender afirmando: “As pílulas anticoncepcionais só estão disponíveis mediante receita médica. Cada mulher deve ser informada desse risco pelo médico prescritor ” , os relatos das mulheres sublinham a falta de informação por parte da classe médica. 

Por fim, lembre-se de que, no Brasil, em 2021, as mulheres ainda carregam o fardo contraceptivo do casal e às vezes sofrem efeitos colaterais dolorosos, até mesmo perigosos para a saúde.




Você também vai gostar

Comente com o seu perfil do Facebook:

Sem Comentários

Comentários