Porque vemos homens como pessoas e mulheres como parte do corpo | We Fashion Trends
Comportamento Curiosidades

Porque vemos homens como pessoas e mulheres como parte do corpo

5 de março de 2021

objetificacao-dos-corpos-das-mulheres-verao-buini-casal

Um novo estudo sugere que dois processos cognitivos distintos estão em jogo com nossas percepções físicas básicas de homens e mulheres – e, mais importante, fornece pistas de por que as mulheres são frequentemente o alvo da objetificação sexual.

A pesquisa, publicada no European Journal of Social Psychology, descobriu em uma série de experimentos que os participantes processaram imagens de homens e mulheres de maneiras muito diferentes. Quando apresentados a imagens de homens, os observadores tendem a confiar mais no processamento cognitivo “global”, o método mental pelo qual uma pessoa é percebida como um todo. Enquanto isso, as imagens de mulheres eram mais frequentemente objeto de processamento cognitivo “local” ou da percepção objetivante de algo como um conjunto de suas várias partes.

O estudo é o primeiro a vincular tais processos cognitivos à teoria da objetificação, disse Sarah Gervais, professora assistente de psicologia da Universidade de Nebraska-Lincoln e principal autora do estudo.

“O processamento local está na base da maneira como pensamos sobre os objetos: casas, carros e assim por diante. Mas o processamento global deve nos impedir disso quando se trata de pessoas”, disse Gervais. “Não dividimos as pessoas em suas partes – exceto quando se trata de mulheres, o que é realmente impressionante. As mulheres eram vistas da mesma forma que os objetos são vistos.”

No estudo, os participantes foram apresentados aleatoriamente a dezenas de imagens de homens e mulheres totalmente vestidos e de aparência média. Cada pessoa foi mostrada da cabeça aos joelhos, em pé, com os olhos focados na câmera.

Após uma breve pausa, os participantes viram duas novas imagens em sua tela: uma não era modificada e continha a imagem original, enquanto a outra era uma versão ligeiramente modificada da imagem original que compreendia uma parte sexual do corpo. Os participantes indicaram rapidamente qual das duas imagens eles tinham visto anteriormente.

Objetificação dos corpos das mulheres

cerebro-das-mulheres-e-homens

Os resultados foram consistentes: as partes sexuais do corpo das mulheres eram mais facilmente reconhecidas quando apresentadas isoladamente do que quando eram apresentadas no contexto de seus corpos inteiros. Mas as partes sexuais dos homens eram mais reconhecidas quando apresentadas no contexto de seus corpos inteiros do que quando isoladas.

“Sempre ouvimos que as mulheres são reduzidas às partes sexuais do corpo; você ouve sobre exemplos na mídia o tempo todo. Esta pesquisa vai um passo além e descobre que essa percepção se espalha também para as mulheres comuns”, disse Gervais. “Os sujeitos nas imagens do estudo eram homens e mulheres comuns do dia a dia … o fato de as pessoas estarem olhando para homens e mulheres comuns e lembrando-se das partes do corpo das mulheres melhor do que de seus corpos inteiros foi muito interessante.”

O estudo

estudo-cerebro-homens-mulheres-corpos

Também é notável que o gênero dos participantes que fizeram a observação não teve efeito sobre o resultado. O grupo de participantes foi dividido igualmente entre homens e mulheres, que processaram os corpos de cada gênero de maneira semelhante: Independentemente de seu gênero, os observadores viam os homens mais “globalmente” e as mulheres mais “localmente”.

“Não podemos atribuir isso aos homens. As mulheres também estão percebendo as mulheres dessa maneira“, disse Gervais. “Pode estar relacionado a motivos diferentes. Os homens podem estar fazendo isso porque estão interessados em parceiros em potencial, enquanto as mulheres podem fazer isso mais como uma comparação com elas mesmas. Mas o que sabemos é que ambos estão fazendo isso. “

Haveria um antídoto para os processos cognitivos básicos de um observador que levam as mulheres a serem reduzidas e objetivadas? Os pesquisadores disseram que alguns dos resultados do estudo sugeriram que sim. Quando o experimento foi ajustado para criar uma condição em que fosse mais fácil para os participantes empregar o processamento “global”, o viés de reconhecimento da parte sexual do corpo pareceu ser aliviado. As mulheres eram mais facilmente reconhecíveis no contexto de seus corpos inteiros, em vez de em suas várias partes sexuais.

Como a pesquisa apresenta a primeira evidência direta da estrutura básica “global” vs. “local”, os autores disseram que ela poderia fornecer um caminho teórico para um trabalho de objetificação mais específico.

“Nossas descobertas sugerem que as pessoas fundamentalmente processam mulheres e homens de maneira diferente, mas também estamos mostrando que uma manipulação muito simples neutraliza esse efeito, e os observadores podem ser levados a ver as mulheres globalmente, assim como os homens”, disse Gervais. “Com base nessas descobertas, existem vários novos caminhos a serem explorados.”




Você também vai gostar

Comente com o seu perfil do Facebook:

Sem Comentários

Comentários