As bandeiras LGBTQIA+ e seus significados | We Fashion Trends
Comportamento Empoderamento

As bandeiras LGBTQIA+ e seus significados

7 de junho de 2021

LGBTQIA+

LGBTQIA+. O agora conhecido termo LGBT (que começou como LGB e mais tarde mais conceitos foram adicionados para representar a realidade) surgiu na década de 90 para substituir o termo ‘homossexual’ e incluir o resto das identidades de gênero e orientações sexuais diferentes da heterossexual, que era, devido a certas ideologias e, historicamente, a única legítima.

* Em primeiro lugar, devemos partir do fato de que com orientação sexual normativa (quem nos atrai sexualmente, nos excita) e identidade de gênero (o sentido interno que se tem de ser homem ou mulher), muitos seres humanos não se identificam. E isso é algo natural que, no entanto, está invisível há séculos.

Hoje, as diferentes orientações e identidades que não correspondem ao cisgênero heterossexual (este é o que corresponde ao conjunto de homens e mulheres cuja identidade de gênero coincide com sua genitália e que se sentem atraídos pelo sexo oposto), estão incluídas no LGBTQIA+ siglas (que se refere ao coletivo de homossexuais femininos e masculinos, trans, bissexuais, intragender, assexuados e mais), embora LGBT  e LGBTQI+ também ainda seja usado.

O que significa LGBTQIA+?

  • L – lésbica
  • G – Gay
  • B – Bissexual
  • T – Trans
  • Q – Queer
  • I – intersexuais
  • A – Assexuado, Agênero
  • + – Outras orientações e identidades de gênero diversas.

Embora nada seja decisivo e cada pessoa seja um universo autêntico, existem bandeiras para representar e se orgulhar de cada orientação e identidade, e também têm mais funções – muito importantes – hoje: reivindicar liberdade, amor livre, respeito e, o mais relevante e urgente, direitos humanos.

As bandeiras LGBTQIA+

Embora existam vários sinalizadores, coletamos vários dos mais representativos e suas definições.

Você se identifica com algum?

LGBTQIA+

É aquele que você certamente conhece. Foi projetado em 1978 pelo ativista americano Gilbert Baker, para celebrar o dia do orgulho de São Francisco, e foi inspirado na música ‘Over the rainbow‘. A bandeira original tinha oito cores (incluía o rosa ), e cada cor estava associada a um aspecto: rosa, com sexualidade; vermelho, para a vida; a laranja, à saúde; amarelo, na luz do sol; o verde, para a natureza; turquesa, para a arte; o azul, para a serenidade e o violeta, para o espírito.

bandeira LGBTQIA+

Lésbica

O machado era um símbolo da antiga civilização minóica (cuja religião se centrava no poder de uma deusa e sua cultura era matriarcal). O triângulo preto é usado como símbolo de solidariedade, pois na Alemanha nazista era usado para marcar diferentes categorias de prisioneiros em campos de concentração e, entre essas, mulheres não heteronormativas, lésbicas, prostitutas … A cor roxa da bandeira representa a cor feminista.

bandeira Lésbica

Bissexual

A comunidade bissexual é uma das menos compreendidas (mesmo dentro do coletivo, existem muitos preconceitos em relação à bissexualidade masculina!).

A bandeira tem três cores: rosa, que representa a atração pelo mesmo sexo; o azul, a atração pelo sexo oposto e o roxo, que é a mistura das duas cores, por isso simboliza a atração pelos dois sexos. É um design de Michael Page, que ele o apresentou em novembro de 1998.

bandeira Bissexual

Trans

Esta bandeira foi criada por uma mulher trans: Monica Helm em 1999, e foi exibida pela primeira vez em uma marcha do orgulho no Arizona em 2000.

Nas palavras de Helms: “As listras na parte superior e inferior são azuis, a cor tradicionalmente usada para os meninos. As listras ao lado são rosa, a cor tradicional para as meninas. No meio é branco, para aquelas pessoas que nasceram intersexual, que são em transição ou se consideram neutras ou indefinidas quanto ao gênero. A ordem em que a bandeira é hasteada não importa, ela está sempre correta. “

bandeira Trans

Intersexual

Segundo a organização Human Rights Watch (que se dedica à investigação, defesa e promoção dos direitos humanos), as pessoas intersexuais nascem com características sexuais que não se enquadram nas noções binárias de masculino ou feminino. O intersexo é caracterizado pela ambiguidade genital, classificável em uma escala, e pode começar a se manifestar a qualquer momento, desde o nascimento até a idade adulta.

O amarelo e o roxo há muito são considerados uma cor hermafrodita. O círculo simboliza o todo e o direito de decidir quem e como queremos ser.

bandeira Intersexual

Asexual

Assim como a grande maioria das pessoas sente atração sexual por outras pessoas (dependendo das preferências), há muitas outras que não sentem atração por ninguém.

A assexualidade é real e legítima. Estima-se que 1% da população mundial seja assexuada e até 2013 era considerada uma doença. As cores da bandeira representam a assexualidade (preto), o indivíduo sexual ou assexuado (cinza), a sexualidade (branco) e o coletivo (roxo).

Dentro da assexualidade, há um espectro muito amplo, e esse espectro pode ser familiar para a semissexualidade, que inclui pessoas que, para serem sexualmente atraídas por outras pessoas, precisam estabelecer um vínculo emocional.

bandeira Asexual

Pansexual

Talvez o termo soe familiar para você porque Miley Cyrus se declarou assim há alguns anos (assim como outras ‘celebridades’, como Cara Delevingne, Demi Lovato, Jojo Siwa, Kesha ou Sia).

Pansexualidade é uma orientação que se caracteriza pela atração romântica ou sexual por indivíduos de todo o espectro, independentemente do sexo ou sexo.

bandeira Pansexual

Gênero não binário

Os ‘ gênero queer ‘ não se identificam como pessoas pertencentes a um gênero específico, mas sentem certa divergência e atribuem características particulares de determinados gêneros para cumprir seus desejos identitários. Demi Lovato recentemente se identificou como tal.

Dentro desta identidade existe uma grande diversidade de pessoas.

  • DEMIGÊNERO: Eles são parcialmente identificados com um determinado gênero.
  • POLIGÊNERO: Eles são identificados com dois ou mais gêneros.
  • AGENDER: Eles não se identificam com nenhum gênero.
  • ANDRÓGENO: Sua identidade está no meio dos dois gêneros binários: masculino e feminino.
  • PANGÊNERO: Eles se identificam com todas as identidades de forma estável, sem variações.
  • GÊNERO FLUÍDO: Sua identidade flui através dos períodos. A sua bandeira é uma das mais reconhecidas.

bandeira Gênero não binário

Gênero fluído

O gênero fluído são as pessoas que se identificam com ambos os gêneros e sua identidade flui. Às vezes se sentem mulher, outras vezes homem, outras vezes não se identificam com ninguém.

bandeira Gênero fluído

Outras bandeiras

Há bandeiras mais representativas e presumimos que mais possam continuar a emergir, embora desejemos que o objetivo do seu aparecimento seja simplesmente ter orgulho e não lutar pelo reconhecimento, pois somos todos seres humanos e, como tal, livres para escolher quem somos, quem nos atrai ou se não somos atraídos por ninguém.

Viva a diversidade e o respeito!




Você também vai gostar

Comente com o seu perfil do Facebook:

Sem Comentários

Comentários

O QUE SÃO CHAKRAS?