10 coisas que você deve saber sobre a revolução das mulheres iranianas - We Fashion Trends
Comportamento Empoderamento

10 coisas que você deve saber sobre a revolução das mulheres iranianas

13 de outubro de 2022

a revolução das mulheres iranianas

Revolução das mulheres iranianas: A morte do jovem Mahsa Amini após ser presa por usar o véu incorretamente despertou o povo iraniano. Cansadas de serem controladas até a maquiagem ou corte de cabelo, as mulheres se levantaram e muitos homens as apoiaram gritando “não queremos a república islâmica”. Nós dizemos o que está acontecendo e por quê.

Nos últimos dias, o Irã testemunhou uma profunda agitação pública, com manifestações e protestos em cerca de 80 cidades, desencadeadas pela trágica morte de Mahsa Amini, que foi detida pelas autoridades em Teerã em 13 de setembro e morreu sob custódia, três dias depois.

Manifestações em apoio às mulheres iranianas contra o machismo e a repressão acontecem em meio mundo. Mas quem faz a diferença são elas, que se levantaram sem medo em seu próprio país. Uma revolta brutalmente reprimida, que causou mais de 70 mortes no Irã. Dignitários como Joe Biden ou Pedro Sánchez também mostraram sua solidariedade com elas.

Por sua vez, a ONU Mulheres, a organização que trabalha contra os tetos de vidro e pelos direitos das mulheres, apoia de todo o coração as mulheres iranianas e “suas legítimas demandas para protestar contra a injustiça sem represálias e serem livres para exercer sua autonomia corporal, incluindo sua escolha de vestimenta” e também as apoia na “busca de prestação de contas e na defesa de seus direitos humanos básicos, conforme estipulado na Carta das Nações Unidas”.

Embora a organização, como muitas outras associações de direitos humanos, tenha apelado às autoridades para que garantam a expressão dos direitos dos cidadãos iranianos em um ambiente seguro, sem medo de violência, acusação ou perseguição, o que é certo é que os pedidos, até agora, não foram ouvidos. Os tumultos continuam no país, repletos de símbolos que se traduzem na mesma ideia: a liberdade. Nós te dizemos o que está acontecendo com a revolução das mulheres iranianas e por quê.

Revolução das mulheres iranianas

O que aconteceu com Mahsa Amini?

Em 13 de setembro, a jovem iraniana Mahsa Amini, de 22 anos, foi presa pela chamada Polícia Moral da Grande Teerã, órgão especializado em controlar e prender mulheres que não cumprem as rígidas leis que consideram imorais, como usar maquiagem, usar shorts acima do tornozelo ou corte o cabelo moderno. Na verdade, ver o tornozelo já pode ser um problema. Segundo quem a prendeu, o crime de Mahsa foi não usar o véu corretamente. Ela foi morta por ter exposto alguns de seus cabelos.

O que aconteceu com Mahsa Amini?

Como nasce o protesto da revolução das mulheres iranianas?

O que se sabe é que Mahsa Amini, cujo nome curdo era Jhina, entrou em coma e foi internada no Hospital Kasra de Teerã horas após sua prisão. Dois dias depois, ela faleceu. A polícia iraniana negou qualquer responsabilidade e tentou reprimir os protestos, mas a força das mulheres, que saíram às ruas como um tsunami indignado, tem sido imparável. Nas redes sociais as vimos, e muitos homens também, apoiando-as contra o machismo vigente. Eles as perseguiram, ligaram poderosos jatos de água que as derrubaram no chão… mas elas se levantaram e continuaram seus protestos. Por Mahsa, por todos.

O que a Polícia Moral controla?

Masha foi detida por usar “roupas inadequadas”, informou a Reuters, em violação das duras regras que regem o vestuário feminino no Irã desde a revolução islâmica de 1979. Sob essas regras, as mulheres devem ter o rosto lavado, roupas largas e compridas que escondem seus corpos e cabelos perfeitamente cobertos. Comportamento comum em ditaduras, quem exerce o poder o faz arbitrariamente, para que nunca se sinta completamente seguro.

Repressão “impiedosamente”

A indignação cresceu em todo o país como um fusível bem carregado. O cansaço das mulheres e a injustiça de viver sob essas leis restritivas tornaram difícil para as autoridades interromper os protestos. Mesmo assim, como a Anistia Internacional alertou, as forças armadas foram condenadas a “reprimi-las sem piedade”. De fato, embora não existam números oficiais, estima-se que existam mais de 70 mortos. A organização dos Direitos Humanos garante ter em seu poder “fotografias e vídeos que demonstram as atrocidades e abusos cometidos no Irã: a maioria das vítimas morreu com munição real e outras foram cruelmente espancadas com cassetetes na cabeça. Nenhuma representava uma ameaça que justificasse essa brutalidade contra elas.

O grito contra as autoridades

Embora afirmem estar com medo, as iranianas continuam tomando as ruas e aguardam a possibilidade de mudança. A revolta é tanta que muitas mulheres decidiram andar pela rua sem véu, enquanto os motoristas as apoiam buzinando. Conforme confirmado esta semana pela BBC, até meninas e adolescentes estão tirando seus véus nas escolas iranianas para apoiar os protestos contra o governo. Suas frases feministas estão sendo realmente inspiradoras. O grito de guerra contra a repressão é “não queremos a república islâmica”, uma frase impensável para dizer em voz alta há apenas um mês.

Veja também: O que o feminismo reivindica e defende?

Corte de cabelo, símbolo de liberdade na revolução das mulheres iranianas

Por deixar uma pequena quantidade de cabelo exposta, Mahsa Amini foi morta. Por esta razão, as mulheres iranianas, e com elas mulheres de todo o mundo, transformaram o gesto de cortar uma mecha de cabelo em um símbolo de seu desejo de liberdade. Tornou-se popular em 18 de setembro por um twitter, @ShinD1982, que postou um vídeo de si mesma cortando o cabelo como um ato de oposição simbólica à lei, ao qual ela adicionou uma simples ‘hashtag’, o nome de Amini. Em pouco tempo, o vídeo se tornou viral e mulheres de todo o mundo seguiram o exemplo.

Também Instagram e TikTok tornaram-se uma ferramenta de protesto. As últimas a se juntarem foram várias atrizes, ativistas e cantoras francesas como Juliette Binoche, Marion Cotillard, Isabelle Huppert ou Charlotte Gainsbourg. A euro deputada sueca de origem iraquiana, Abir Al-Sahlani, também cortou uma mecha de cabelo esta semana no Parlamento Europeu e depois explicou na sua conta de Instagram: “Cortar o cabelo em protesto é uma tradição antiga. Mostra que a raiva é mais mais forte do que o poder do opressor. As mulheres do Irão estão fartas. A União Europeia deve mostrar a mesma coragem e dar- a elas todo o apoio”.

Músicas proibidas, cantor preso

As mulheres iranianas não podem cantar. Por isso, a música que se tornou símbolo dos protestos é de um cantor, Shervin Hajipour, cuja música ‘For’ (Para) é cantada nas manifestações. Tal foi a repercussão, que Shervin acabou sendo preso e eles apagaram o assunto de seu Intagram, mas deixaram outro muito evocativo do que está acontecendo: ‘A primavera chegou’. Embora tenha lançado esta semana, sua música ‘Para’ foi banida por incluir frases como ‘Dancing in the street for you’, ‘For my sister, your sister, our sister’ e, acima de tudo, ‘For women, life, liberdade. Pela liberdade, pela liberdade, pela liberdade…’.

E o governo? O que faz a respeito da revolução das mulheres iranianas

A revolta é sem precedentes na história do país desde a revolução islâmica. É como se o copo da saciedade tivesse transbordado completamente. As jovens queimam seus véus e gritam para a polícia: “Que vergonha!” O governo de Teerã e seu líder supremo, Ali Khamenei, parecem não se mexer, mas a verdade é que a revolução está desencadeada. Mesmo em algumas cidades, “morte ao ditador” foi ouvido, referindo-se ao aiatolá Khamenei, que por sua vez acusa os Estados Unidos e Israel de estarem por trás dos protestos. Cada vez menos pessoas acreditam nele, quando até as meninas nas escolas arrancam seus véus. No entanto, resta esperar pouca abertura do chefe de Estado octogenário. Um substituto pode acalmar as coisas, mas, por enquanto, Khamenei continua agarrado ao seu posto.

A comunidade LGTB+, também em destaque

O regime iraniano permite que pessoas trans mudem de sexo desde a década de 1980, mas essa tolerância não se aplica à comunidade LGBT+. Na verdade, é completamente proibido ser gay ou lésbica. Se for, você tem três opções: fugir do país, viver dentro –muito dentro– do armário, ou mudar de sexo, uma opção que muitas pessoas são obrigadas a tomar mesmo que não tenha nada a ver com sua identidade ou orientação sexual. Brutal, sim.

Do que Masha morreu?

Embora as autoridades repitam que Masha morreu devido a problemas de saúde que já tinha, a verdade é que há cada vez mais indícios de que ela morreu por causa dos golpes que recebeu, não por doença. É o que garantem os médicos independentes a quem a família recorreu. Seu advogado, Saleh Nikbakht, disse em entrevista ao jornal iraniano ‘Etemad’ que tanto ele quanto os médicos estão convencidos de que a jovem morreu de espancamentos sob custódia policial:

“Acreditamos que Mahsa foi espancada antes de chegar à delegacia e, com grande probabilidade, também quando ela foi detida lá. Sua família quer saber que tipo de trauma externo causou o sangue que vazou do fundo do crânio, atrás do pescoço e das orelhas.”

Ele confirmou que a jovem não tinha histórico de doença cardiovascular ou renal, pois fontes policiais a culparam. A família solicitou a criação de um comitê de investigação independente. As ruas do Irã clamam por justiça para Masha. Por todas as mulheres iranianas reprimidas.




Você também vai gostar

Comente com o seu perfil do Facebook:

Sem Comentários

Comentários

ROUPAS FEMININAS QUE ERAM DE HOMENS