Um especialista do FBI explica como ser amado pelos outros - We Fashion Trends
Comportamento

Um especialista do FBI explica como ser amado pelos outros

27 de janeiro de 2022

como ser amado pelos outros

Como ser amado pelos outros? Em seu livro “Não é tudo sobre mim: as dez principais técnicas para construir um relacionamento rápido com qualquer pessoa”, o especialista em comportamento do FBI, Robin Dreeke, descreve comportamentos essenciais para obter reconhecimento rápido. Aqui estão as dicas dele.

Resumo

Às vezes é difícil se relacionar rapidamente com pessoas que você acabou de conhecer – com novos colegas ou em festas onde você não conhece ninguém. É até uma fonte de ansiedade que pode dificultar a vida de alguns indivíduos que sofrem de fobia social. No entanto, com um pouco de bom senso e observação, você pode facilmente ser apreciado pelos outros. Isso é mostrado por Robin Dreeke em seu livro, Não é tudo sobre mim: as dez principais técnicas para construir um relacionamento rápido com qualquer pessoa. A teoria do especialista em comportamento do FBI foi transmitida em um artigo da GQ para mostrar aos leitores que ser apreciado pelos outros enquanto se mantém não é tão mágico. Para isso, basta seguir estas dicas.

Como ser amado pelos outros

Ouça sem tirar proveito

Primeiro, você precisa saber ouvir com atenção sem trazer a discussão de volta para você. Isso significa, portanto, duas coisas: você deve ser capaz de ouvir sem julgar abruptamente o que o outro está dizendo e é essencial que cada um de vocês tenha seu tempo de fala sem que um ou outro tome todo o lugar na discussão. Ouvir, sem julgar ou impor diretamente sua opinião, não significa concordar com o que seu interlocutor está dizendo. Permite, sim, colocar o outro em confiança e dar tempo para ele pensar no que vai responder.

 Por exemplo, iniciar uma frase com “Não” ou “Não concordo com você” bloqueará seu interlocutor e impedirá que você expresse suas ideias. No entanto, isso se aplica em um contexto de socialização. Se você está com raiva, que está em situação de conflito com alguém, você tem todo o direito de expressar isso, desde que a discussão não se transforme em violência física ou moral.

Leia também: Amizade tóxica: quais são os sinais para reconhecê-la?

Faça perguntas relevantes e abertas

Para ser apreciado pelos outros, é preciso saber fazer as perguntas certas. Tenha cuidado, porém, para não cair na armadilha do interrogatório. Fazer muitas perguntas a alguém que você acabou de conhecer pode ser intimidante e até repulsivo. É bom, portanto, segundo o autor, interessar-se pelo outro de forma pessoal e não material. Por exemplo, sempre será melhor perguntar quais séries o outro gosta de assistir em vez de perguntar quanto ele ganha.

Peça a opinião do outro

Além das perguntas feitas, você também pode pedir conselhos à pessoa. Isso fará com que ela se sinta útil e a valorize. Além disso, é muito provável que a visão dele das coisas seja completamente diferente da sua e, portanto, permita que você veja determinados assuntos de outro ângulo. Tenha cuidado, no entanto, para não pedir conselhos sobre assuntos muito pessoais. Você não conhece bem a pessoa e não sabe qual é o seu passado. Seria uma pena se ela o inundasse com conselhos que você não estava pronto para ouvir. Além disso, se você tem a impressão de que é o único a fazer as perguntas, que o outro está impondo suas opiniões sobre você e que o link é criado apenas em uma direção, não desperdice sua energia. Se é importante ser apreciado pelos outros, não deve ser à custa de seu próprio bem-estar. Você não é o psicólogo do seu interlocutor.

Saiba quando você é demais

Além das palavras, Robin Dreeke insiste na importância da linguagem corporal. Nós tendemos a esquecê-lo às vezes, mas está muito presente quando as pessoas interagem, especialmente quando acabam de se conhecer. Digamos que você queira conversar com alguém que você não conhece em uma festa (não na rua porque raramente é o lugar que as pessoas preferem começar uma conversa). É importante que você saiba definir se a pessoa em questão está aberta ao diálogo. Se ela estiver no meio de uma conversa adotando uma postura defensiva, é provável que ela não queira ser incomodada.

Não invada o espaço da pessoa à sua frente

Além disso, o especialista do FBI aponta o fato de que você não deve se apegar a uma pessoa que acabou de conhecer. Na verdade, um indivíduo sempre se sentirá mais relaxado se não sentir que você ficará grudado nele por horas. No entanto, ao mostrar a ele que sua presença é apenas temporária, ele não se sentirá preso. Até para você é melhor, pois evita que você se envolva com alguém que, possivelmente, não lhe interessa muito. Se a corrente estiver indo bem entre você e seu interlocutor, lembre-se de não apresentar linguagem corporal defensiva, como braços cruzados ou silêncios constrangedores. Além disso, não seja muito intrusivo falando muito perto de seu interlocutor ou tocando-o sem o consentimento dele.

Resumindo, ao procurar interagir com pessoas que você não conhece ou sobre as quais sabe muito pouco, é importante ser honesto e não tentar se passar por alguém que você não é. Isso significa, portanto, que se você estiver profundamente interessado em uma pessoa – ouvindo-a, fazendo perguntas relevantes, não buscando obter benefícios pessoais dessa interação – o vínculo será criado mais facilmente. Não adianta fazer isso em um processo de manipulação, porque o outro vai perceber um dia. Mas você deve ver essas dicas como truques para tentar se estiver em dificuldade.




Você também vai gostar

Comente com o seu perfil do Facebook:

Sem Comentários

Comentários

COMO SE VESTIR PARA UM PRIMEIRO ENCONTRO