Você realmente precisa usar produtos de higiene íntima? | We Fashion Trends
Saúde da Mulher

Você realmente precisa usar produtos de higiene íntima?

5 de abril de 2021

produtos-de-higiene-feminina

Sabonetes, produtos de limpeza ou cremes íntimos… Estes produtos de higiene íntima feminina estão cada vez mais populares. Mas eles são realmente necessários? E, acima de tudo, são recomendados? Fazemos um balanço.

Eles lotam as prateleiras de supermercados ou farmácias, geralmente próximos aos nossos queridos e nem tão amados absorventes. Sabonetes íntimos, géis, cremes ou mesmo tratamentos de limpeza… Esses produtos de “higiene feminina” prometem às usuárias recuperar frescor, limpeza, conforto e até autoconfiança.

Mas esses produtos, cada vez mais populares entre as mulheres, são realmente necessários? E acima de tudo, seu uso é realmente recomendado? Nós o ajudamos a ver mais claramente.

Eu preciso de cuidados especiais com a higiene feminina?

Para a maioria delas, esses produtos de higiene íntima são antes de tudo um desfile de marketing, brincando com o medo das mulheres de cheirar mal. Para Camila, ginecologista de São Paulo, especialista em saúde da mulher e tratamento da dor, o uso desses cuidados no dia a dia claramente não se justifica. A vulva nunca foi objeto de avaliações científicas. O que é interessante por si só, dada a quantidade de produtos que afirmam ser “ginecologicamente testados”.

Algumas pessoas afirmam reduzir o risco de infecções bacterianas. Não é assim. Nenhum produto de uso externo pode ter efeito no interior da vagina, e usá-lo internamente pode, pelo contrário, aumentar o risco, eliminando bactérias boas ou irritando a mucosa vaginal. Desconfie, portanto, do discurso consagrado das marcas. 

Leia também: Higiene íntima: 9 erros que você nunca deve cometer novamente

depilacao-intima-riscos-que-voce-deve-saber1

O que lavar e com o quê?

Vamos começar com o que não devemos lavar! Cuidado com a confusão entre vagina e vulva. A abertura vaginal, atrás dos pequenos lábios, não é revestida com pele, mas com membranas mucosas; assim como o interior da vagina, não precisa ser lavado. A mucosa vulvar dos pequenos lábios é muito fina, por isso é recomendável não introduzir nenhum produto de higiene nesta área. 

Para higiene pessoal, nada supera a simplicidade. Mas, uma vez que a água não remove completamente o sebo e as fezes, algumas pessoas preferem usar um produto de higiene chamado “íntimo”. Outros com problemas de pele ou membranas mucosas sensíveis ficarão satisfeitos com água. 

Leia também: 19 curiosidades sobre a Vagina que você precisa saber!

tendencias-lingeries-moda-roupa-intima

Quais são os melhores produtos para higiene íntima?

As marcas mudam constantemente a composição de seus produtos, por isso é difícil formular recomendações precisas. Além disso, nem sempre mencionam o pH. Por isso, dê preferência a produtos com algumas dessas características:

  • Procure produtos com pH entre 5,3 e 7,0 mas de preferência próximo a 5,3 / 5,6, pH que é o PH da mucosa vulvar. A exposição a um pH maior ou igual a 7 ataca a camada lipídica da pele. 
  • Evite produtos que contenham fragrâncias, naturais ou sintéticas. Essas são causas comuns de irritação e reações alérgicas.
  • Evite metilisotiazolinona (MI) e metilcloroisotiazolinona (MCI) . Esses são irritantes e alérgenos conhecidos.
  • Os termos ‘gentil’, ‘bebê’, ‘pH neutro’ e ‘testado ginecologicamente’ não significam nada clinicamente. É marketing, ponto final.

Veja mais: A vulva ideal não existe e este vídeo sobre lábios vaginais confirma isso

vender-calcinhas-e-roupas-intimas-usadas

Lenços íntimos são bons?

Vários ginecologistas desaconselham o uso de lenços íntimos. Por que? Porque são cofatores frequentes das dermatites de contato nas regiões vulvar e anal. Na verdade, a vulva está quinze vezes mais exposta à irritação causada pelo lenço do que outras áreas do corpo. A menos que você tenha incontinência fecal ou urinária, caso em que isso é útil, você não precisa se limpar mais. Por trás desse marketing intensivo está a ideia de que a anatomia feminina exige medidas adicionais de higiene.

Ser “limpo e fresco” : um discurso patriarcal prejudicial

O tabu em torno da vulva restringe os discursos sobre higiene genital. A esfera econômica conseguiu tornar frutífera a representação de um sexo feminino sujo e destinado sobretudo ao prazer de um parceiro masculino. 

Admitia-se, assim, que era preciso livrar-se dos pelos, e que era preciso lavar o pênis com produtos especiais, o que implicava o mercado de produtos de higiene que a vulva é suja e fedorenta. As palavras das marcas costumam ser as mesmas: elogiar o frescor e a limpeza proporcionados por esses produtos.

A indústria de produtos de higiene feminina movimenta milhões de dólares por ano. Não se engane: essas pessoas não existem para zelar pelo seu bem-estar, mas para fazer você acreditar que seu corpo está sujo e que o “frescor feminino” se baseia na sensação de “autoconfiança, conforto e limpeza”. Soa como um slogan publicitário, certo? Uma vulva saudável não emite mais odor do que qualquer outra parte do corpo. E, acima de tudo, lembre-se: se a natureza quisesse que a vulva cheirasse a rosa, ela teria feito com que cheirasse a rosa.




Você também vai gostar

Comente com o seu perfil do Facebook:

Sem Comentários

Comentários